Publicidade

Estado de Minas

Minas já tem 20 bafômetros que identificam ingestão de álcool por aproximação

Chamados de bafômetro passivo, os equipamentos estão sendo usados em cidades localizadas em três rodovias: BRs 040, 262 e 050


postado em 30/05/2019 18:32 / atualizado em 30/05/2019 18:51

Equipamentos estão sendo usados desde o final do ano passado(foto: Polícia Rodoviária Federal (PRF) / Divulgação)
Equipamentos estão sendo usados desde o final do ano passado (foto: Polícia Rodoviária Federal (PRF) / Divulgação)

Minas Gerais já conta com 20 bafômetros passivos. O equipamento, que consegue identificar se o motorista consumiu bebidas alcoólicas apenas com a aproximação, já está sendo usado em três rodovias mineiras: Brs 040, 262, e 050. Como o Estado de Minas adiantou em sua edição de 22 de maio, uma das cidades que contam com a ajuda do equipamento é  Sete Lagoas, distante 70 quilômetros de Belo Horizonte. Os aparelhos estão sendo um dos aliados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) para aumentar a fiscalização aos condutores alcoolizados.



O aparelho não precisa ser assoprado pelo condutor. Apenas por proximidade o equipamento acusa se houve ingestão de álcool. Nos casos positivos, é preciso usar o equipamento convencional para detectar o teor alcoólico do motorista. Agentes da PRF afirmam que o novo etilômetro dá agilidade à fiscalização durante operações e avisam que ele será usado, principalmente, em saídas de festas. Outra situação em que a novidade será útil é na comprovação de infração por aqueles que se recusam a fazer o teste normal.

O equipamento já sendo usado em caráter de teste em, ao menos, sete cidades mineiras: além de Sete Lagoas, nas estradas de Juiz de Fora, na Zona da Mata, Uberaba e Uberlândia, no Triângulo, Bom Despacho, Região Centro-Oeste de Minas, Campos Altos, e Araxá, no Alto Paranaíba. Os aparelhos foram adquiridos entre 2018 e 2019. Nesta quinta-feira, motoristas que passaram pela BR-381, em Sabará, na Grande BH, foram abordados e passaram pelo teste do aparelho.



O bafômetro passivo consegue identificar se houve ingestão de bebidas alcoólicas sem o contato do motorista com o aparelho, apenas com a aproximação, durante uma conversa. Se esse pé-teste der positivo, o condutor é convidado a usar o bafômetro antigo. Um dos objetivos do bafômetro será o de fechar o cerco próximo a locais com grande aglomeração de pessoas e consumo de bebidas alcoólicas. Outro benefício, é dar mais um instrumento aos agentes de trânsito. Com a recusa do motorista de soprar o etilômetro convencional, a constatação feita pelo bafômetro passivo poderá constar no boletim de ocorrência.

Segundo a lei de trânsito, motoristas flagrados com teor acima de 0,33 miligramas de álcool por litro de ar expelido comete crime de trânsito. Os condutores têm a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) recolhida e levam multa no valor de R$ 2.934,70, além de responder criminalmente na Justiça. Já os que registram teor inferior a 0,33mg/l têm a CNH recolhida e recebem multa no valor de R$ 2.934,70.


Publicidade