Publicidade

Estado de Minas

Polícia prende segundo suspeito de golpes em auxílios para desalojados da Vale

Continuação da operação que prendeu golpista em Macacos identificou vários itens de doações que podem ter sido adquiridos mediante fraude. Polícia acredita que golpistas vendiam material arrecadado em doações


postado em 20/05/2019 10:35 / atualizado em 20/05/2019 13:49

Material apreendido foi levado para delegacia em Nova Lima(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A PRESS)
Material apreendido foi levado para delegacia em Nova Lima (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A PRESS)
Mais uma pessoa que recebia auxílio a desalojados da mineradora Vale foi presa nesta segunda-feira e outra está foragido. Samuel Batista dos Santos, de 25 anos, é a segunda pessoa presa na Operação Chacal, da Polícia Civil de Nova Lima, na Grande BH, contra fraudes no recebimento de benefícios destinados a atingidos das barragens da mineradora.

Na semana passada, Luiz Carlos da Silva, de 56 anos, residente do Bairro Betânia, Oeste de BH, foi preso depois de se passar por morador de São Sebastião das Águas Claras, distrito de Nova Lima conhecido como Macacos. Ele estava na fila de recebimento de vouchers de alimentação quando recebeu voz de prisão.

Segundo a polícia, o homem já estava hospedado às custas da Vale numa pousada havia 20 dias e tinha dado entrada no pedido de auxílio de R$ 5 mil.
 
Durante a operação de hoje os policiais localizaram centenas de donativos armazenados em uma residência de Nova Lima, cuja estimativa é de R$ 10 mil em mercadorias.

A suspeita é de que os insumos sejam oriundos de doações a vítimas de risco de rompimento de barragens e estariam sendo comercializados por falsos beneficiários. Ainda segundo a Polícia Civil, vários artigos de luxo eram comprados com o crédito da vale em pousadas: desodorantes, temperos, pipocas gourmet, energéticos, sucos, água de coco, doces e bombons. Samuel Batista dos Santos foi preso e um segundo suspeito investigado está foragido.

A estimativa da Polícia Civil é que até agora os golpistas já tenham causado prejuízo de R$ 90 mil, sendo que 15 pessoas foram presas. Além dos dois já detidos em Nova Lima, outros 13 foram presos em Brumadinho.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade