Publicidade

Estado de Minas

BH confirma a segunda morte por Influenza em 2019

Duas pessoas já perderam a vida na capital em decorrência de complicações provocadas pelo vírus influenza. Com cobertura vacinal ainda abaixo da meta, estado computa 11 mortes


postado em 18/05/2019 10:40 / atualizado em 18/05/2019 10:47

Termômetros já caíram ontem, quando a capital registrou a segunda menor temperatura do ano, obrigando pessoas a se agasalhar nas ruas(foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)
Termômetros já caíram ontem, quando a capital registrou a segunda menor temperatura do ano, obrigando pessoas a se agasalhar nas ruas (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)

A onda de frio chegou a Belo Horizonte, o que requer cuidados redobrados com a saúde. Uma das preocupações é com a gripe, que tende a se espalhar mais rapidamente em períodos de temperaturas baixas. A capital mineira confirmou a segunda morte de morador que contraiu o vírus Influenza. O estado já registrou neste ano 39 casos de síndrome respiratória aguda grave (Srag) por influenza e outros 100 por outros vírus respiratórios. O número de mortes chegou a 11. A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe está em andamento. Moradores que fazem parte do público-alvo podem procurar as unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) para receber as doses. A cobertura vacinal ainda está em 70,32%, bem abaixo do estabelecido pelo Ministério da Saúde, que é de 95%.

Dados divulgados ontem pela Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG) mostram o panorama da gripe em Minas Gerais. Desde o início do ano, 945 casos de Srag foram notificados. Destes, 39 foram provocados por influenza e 100 para outros vírus respiratórios. Dos casos de Srag causados pela influenza, 36 foram de influenza A/(H1N1)pdm09, 2 por influenza A não subtipado e 1 por influenza B.

Já em relação as mortes por Srag, foram 91, sendo 11 por associação a vírus respiratórios. Destes, dois por influenza. O balanço não inclui o óbito de um paciente de Belo Horizonte que foi confirmado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMSA). O tipo de vírus que infectou o morador não foi divulgado. Outra pessoa que vivia na cidade já tinha perdido a vida depois de contrair H1N1.  

Outra morte incluída no boletim da SES/MG foi de um morador de Juiz de Fora, na Região da Zona da Mata, infectado pelo influenza A. Já os óbitos associados a outros vírus respiratórios ocorreram nos municípios de Belo Horizonte (5), Uberlândia (1), Governador Valadares (1), Diamantina (1) e 1 importado do Distrito Federal.

COBERTURA VACINAL A 15 dias do fim da Campanha Nacional de Vacinação, a cobertura vacinal está baixa em Minas Gerais. Dados do Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (Sipni) mostram que um percentual de 70,32% do público-alvo se vacinou. Foram 4,2 milhões de doses aplicadas. O pior índice está entre as crianças e as gestantes, com 65,44% e 65,52%, respectivamente. Ao todo, foram 4,2 milhões de doses aplicadas. A meta estabelecida pelo Ministério da Saúde é de 6 milhões de imunizações em Minas.  

Devem se vacinar adultos com 60 anos ou mais de idade, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), trabalhadores da saúde, professores das escolas públicas e privadas, povos indígenas, grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional, além de crianças de 6 meses a menores de 6 anos.


Perspectiva de frio recorde

Moradores de Belo Horizonte devem se preparar para a primeira onda de frio do ano. Ontem, a cidade já se aproximou da temperatura mais baixa desses primeiros meses. A capital mineira registrou, por volta das 7h, 14,7°C. O frio de ontem ficou atrás apenas do registrado em 23 de março, quando os termômetros marcaram 14,5°C. Mas não vai parar por ai. No fim de semana os termômetros devem marcar números ainda mais baixo e o recorde de 2019 pode ser batido.

O frio, que demorou a chegar neste ano, é resultado de massa de ar polar que estava no Sul do Brasil e se aproxima da Região Sudeste. Essa movimentação já vem influenciando no tempo em BH. A capital mineira amanheceu ontem com o céu nublado, e teve chuva fraca em alguns pontos. Situação que ajudou a elevar a sensação de frio e obrigou muita gente a reforçar os agasalhos, principalmente nas primeiras horas da manhã e a partir do fim da tarde.

De acordo com previsões do meteorologista Claudemir de Azevedo, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), é bom se preparar para quedas ainda maiores de temperatura a partir de hoje. “Esta sexta-feira foi o segundo dia mais frio do ano. Por volta das 7h, a estação Cercadinho marcou 14,7°C. Ficou atrás apenas de 23 de março. A perspectiva é de que no fim de semana a temperatura caia ainda mais”, alertou.

A previsão para hoje é de temperatura mínima de 14°C e máxima de 23°C. “Teremos previsão de chuva isolada, mas de fraca intensidade. Para o domingo, não há previsão de chuva, mas a temperatura mínima pode chegar a 13°C”, disse Azevedo. “No início da outra semana, essa nebulosidade deve se dissipar. A máxima deve chegar a 27°C, mas não está descartada a madrugada fria, com temperaturas em 13°C”, completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade