Publicidade

Estado de Minas

Defesa Civil agenda para sábado novo treinamento com moradores de Barão de Cocais

Segundo a Vale, parte de encosta próxima à barragem pode se romper entre 19 e 25 de maio. No primeiro simulado, cerca de 60% do público-alvo compareceu ao treinamento


postado em 16/05/2019 19:16 / atualizado em 16/05/2019 19:26

O primeiro treinamento reuniu 3,6 mil pessoas em Barão de Cocais(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
O primeiro treinamento reuniu 3,6 mil pessoas em Barão de Cocais (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

 

Vai acontecer neste sábado (18), a partir das 15h, mais um treinamento da população de Barão de Cocais diante do risco do rompimento de um talude da Mina de Gongo Soco, administrada pela Vale no município. A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) vai promover o simulado com o objetivo de indicar rotas de fuga e pontos de encontro, principalmente, para as cerca de 2,4 mil pessoas que não participaram da primeira iniciativa, ocorrida em 25 de março.


Segundo documentos enviados pela Vale ao Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), o talude norte – parte da encosta logo acima da barragem, semelhante a escadinhas – pode se romper entre 19 e 25 de maio. O possível desmoronamento pode colocar em cheque a Barragem Sul Superior, que está no nível 3 – o último da escala de risco – desde 22 de março. Aproximadamente 1,5 quilômetro separa as duas estruturas.


É uma oportunidade para quem não participou conhecer esses locais. É uma medida de precaução e proteção e pode salvar vidas”, afirmou o tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador-adjunto da Defesa Civil de Minas Gerais.


O primeiro treinamento contou com a participação de 3,6 mil pessoas, aproximadamente 60% do público-alvo. O objetivo tanto do que já ocorreu quanto do que vai acontecer neste sábado é preparar a população que vive na Zona de Segurança Secundária (ZSS). Estão nela, os moradores dos bairros Centro, São Geraldo, São Benedito, Três Moinhos e Vila Regina.


Caso haja rompimento da represa, haverá 1 hora e 12 minutos para retirada das 3 mil famílias da chamada zona secundária. No início de fevereiro, 452 moradores da Zona de Autossalvamento (ZAS), aquela que está imediatamente depois da barragem, 10 quilômetros a jusante de Sul Superior, foram retiradas de suas casas.


A ZAS compreende as comunidades de Piteiras, Socorro, Tabuleiro e Vila do Gongo. Os moradores foram remanejados para hotéis, pousadas ou casas alugadas pela Vale. Alguns também optaram por se mudar para casa de familiares.


A Barragem Sul Superior é uma das 10 barragens de alteamento a montante inativas remanescentes da Vale. Ela está desativada desde 2016. A estrutura está incluída no programa de descomissionamento anunciado pela mineradora.


O que diz a empresa


Em nota, a mineradora Vale afirmou que “vem tomando uma série de medidas necessárias para informar a população sobre a situação”, a partir das rádios locais e de panfletos. Também disse que não há laudos técnicos que garantam a ruptura da Barragem Sul Superior em caso de escorregamento do talude norte.


Segundo a empresa, “foram instalados sete pontos de encontro em Barão de Cocais com funcionamento 24 horas por dia”. Destacou, ainda, que a cava e a barragem são monitoradas ininterruptamente.



Publicidade