Publicidade

Estado de Minas

Detentos de presídio de Nova Lima iniciam greve de fome

Presídio está parcialmente interditado e tem capacidade para 96 pessoas. Presidiários reclamam de maus-tratos com visitantes, entrega de remédios vencidos e superlotação


postado em 13/05/2019 22:48

Detentos lotados no presídio de Nova Lima iniciaram uma greve de fome nesta segunda-feira (13). Segundo a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), os presos recusaram consumir o café da manhã e o almoço. Pessoas ligadas ao sistema carcerário garantem que o comportamento é uma resposta a uma série de descasos do poder público com os presos da unidade.

Fontes disseram ao Estado de Minas que os familiares dos detentos têm sido mau tratados em visitas. Além disso, alguns remédios vencidos foram distribuídos no presídio. Além disso, a unidade enfrenta, assim como outros presídios espalhados por Minas e pelo Brasil, um problema de superlotação.

A Seap informou que monitora o caso e vai adotar as “medidas que forem necessárias para sanar possíveis falhas administrativas”. O local está parcialmente interditado, ou seja, só pode receber presos com processos ligados à comarca de Nova Lima.

Quanto à estrutura do presídio, a Seap ressaltou que participa das reuniões do Grupo de Monitoração e Fiscalização do Sistema Carcerário (GMF), que buscam “estreitar o diálogo com todos os órgãos que trabalham diretamente com a justiça criminal, com a finalidade de buscar soluções conjuntas para as questões pertinentes ao sistema carcerário de Minas Gerais”.

A pasta ainda destacou que “herdou o sistema prisional carente de investimentos no âmbito de pessoal e de infraestrutura, com uma população carcerária bem acima da capacidade das unidades prisionais”. Segundo a secretaria, apenas 200 vagas foram criadas na gestão Fernando Pimentel (PT).

Neste âmbito, o órgão do governo estadual salientou que busca recursos para investir “em tecnologia e reestruturação física das suas unidades prisionais”. Entre elas, está a construção de um novo presídio em Mariana, na Região Central do estado.  Nele, alguns presos de Nova Lima poderiam ser reencaminhados. 

Por razões de segurança, lotação de unidades específicas não são divulgadas pela secretaria. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade