Publicidade

Estado de Minas

Presidente da Fhemig homenageia mães com visita surpresa no João XXIII

No plantão do hospital que é referência em urgência e emergência no estado, a pressão da rotina de atendimentos foi interrompida para uma reverência às mães da unidade


postado em 13/05/2019 06:00 / atualizado em 13/05/2019 10:03

Presidente da Fhemig e também mãe, Vânia Cunha (E) cumprimentou profissionais que deixaram os filhos em casa para dar conta do plantão no HPS(foto: LEANDRO COURI/EM/D.A PRESS)
Presidente da Fhemig e também mãe, Vânia Cunha (E) cumprimentou profissionais que deixaram os filhos em casa para dar conta do plantão no HPS (foto: LEANDRO COURI/EM/D.A PRESS)

Gesto de carinho, abraço de gentileza e demonstrações de afeto que se multiplicam de mãe para mãe. Na rotina extenuante do Hospital de Pronto-Socorro (HPS) João XXIII, um momento solidário chamou a atenção, na manhã de ontem, quando os olhares tensos se encheram de ternura diante de palavras amigas, que fizeram os passos rápidos desacelerar nos corredores. No Dia das Mães, a presidente da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Vânia Cunha, visitou de surpresa setores da emergência para cumprimentar as profissionais que, de plantão, não puderam estar com filhos, marido e demais familiares.

“Vir aqui, neste domingo, partiu de um momento de reflexão. Fiquei pensando ontem (sábado) em todas as mães que trabalham, mantêm a dedicação e se desdobram para cuidar dos filhos e sustentar a família, às vezes até sozinhas. Portanto, quero compartilhar o momento com todas as mães da rede Fhemig, embora não seja possível ir a todas as unidades”, disse Vânia. A dirigente, que tem duas filhas, contou que perdeu a mãe há três anos e a sogra, a quem considerava muito – “uma segunda mãe” –, há dois meses. “Estou muito emocionada ao ver as funcionárias com esse entusiasmo no serviço, quando poderiam, hoje, ficar num clima de festa em suas casas”, afirmou, enquanto distribuía bombons à equipe. Primeira mulher a presidir a Fhemig, Vânia esteve também no Hospital Infantil João Paulo II, na Alameda Ezequiel Dias, na região hospitalar.

Acompanhada da secretária de Coordenação Médica do João XXIII, Cléia Márcia Alves Silva, mãe de duas jovens de 20 e 13, Vânia começou a cumprimentar a turma logo na recepção da emergência. “Meu plantão começou às 7h e vai até as 19h. Desse jeito, acompanharei o almoço em família pelo vídeo do celular, pois minha mãe estará presente”, disse, com um sorriso, Manoela Azevedo, de 23, mãe de um menino de 3 e moradora do Bairro Carlos Prates, na Região Noroeste. No mesmo turno, Milena da Silva, de 24 e com uma filha, revelou que esperaria chegar em casa à noite, em Betim, na Grande BH, para saborear a carne do churrasco. “Sinceramente, não esperava a visita da presidente. É bom. Um gesto carinhoso”, disse Milena.

MENSAGEM Pela janelinha da farmácia, Vânia encontrou Laisir Marinho e a farmacêutica Lucinéia de Oliveira Souza. “Uma visita boa e inesperada”, agradeceu Laisir, mãe de três filhos. Logo depois, Vânia pôde ler com gosto uma mensagem, em um quadro, dirigida a quem enfrentaria o plantão no Dia das Mês: “Para quem cria com amor e para quem faz da felicidade de seus filhos a sua própria felicidade. Que Deus recompense cada espera, cada lágrima, cada renúncia e, acima de tudo, tanta devoção”.

Para a anestesista Luciana Laurentys, dois filhos, foi um instante de muita gentileza: “A gente nunca faz distinção entre os dias, todos eles são iguais no trabalho no hospital”, disse a médica, ao lado da técnica de enfermagem Djaneide Militão e da auxiliar de enfermagem Cláudia Márcia dos Santos Pires. Para uma foto, se juntaram ao grupo Izaura Aparecida dos Santos, Janine Costa, Tânia Santana, Carla Danielle da Silva e Cléia Márcia. “Não sou mãe, mas celebramos hoje o Dia dos Enfermeiros. O bombom adoça o dia”, brincou Janine, moradora de Betim.

Vânia Cunha tem 35 anos de serviço público, dos quais 20 em funções de direção. Filha do clínico-geral Evandro Cunha Melo, que por 25 anos atuou no Hospital Infantil João Paulo II, cujo Centro de Tratamento Intensivo (CTI) leva seu nome, a presidente da Fhemig atribui ao pai o interesse pela carreira pública, em especial na área de saúde, “e o compromisso de dar continuidade a seu legado”. No estado, a Fhemig tem 21 unidades, incluindo o MG Transplantes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade