Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

BHTrans muda a lógica dos semáforos para reduzir engarrafamentos na capital

Disparada na frota obriga empresa que cuida do trânsito em BH a alterar ciclos de sinais no perímetro da Contorno. Maior tempo de luz verde é trocado por mais oportunidades de transpor cruzamentos


postado em 06/05/2019 06:00 / atualizado em 06/05/2019 08:26

Muita demanda para pouco tempo: medida da BHTrans tenta evitar fechamento de cruzamentos e dar ao pedestre mais chances de travessia(foto: Jair Amaral/EM/D.A PRESS)
Muita demanda para pouco tempo: medida da BHTrans tenta evitar fechamento de cruzamentos e dar ao pedestre mais chances de travessia (foto: Jair Amaral/EM/D.A PRESS)
As dificuldades impostas por um trânsito cada vez mais carregado e congestionado em Belo Horizonte obrigam a BHTrans a buscar soluções principalmente para os pontos de cruzamentos da cidade. Nos últimos 19 anos, a frota de veículos explodiu na capital mineira.

Enquanto em dezembro de 2000 eram quase 680 mil carros, motos, ônibus e caminhões, esse número triplicou, quebrando a barreira histórica de 2 milhões em dezembro do ano passado. Por um lado, esse crescimento de veículos exige que interseções sem semáforos passem a contar com sinais luminosos. Nos últimos cinco anos foram 106 novos na cidade, média de 21 por ano entre 2013 e 2018. Em outra frente de atuação, os cruzamentos que já contam com sinais precisam ser adequados a uma realidade cada vez mais engarrafada, em um contexto no qual BH chega a ser considerada a cidade com mais tempo perdido no tráfego no país.

Nessa frente de ação, a BHTrans vem fazendo uma alteração que é pouco percebida por quem transita pela área central da cidade, mas que mexe diretamente na dinâmica do tráfego. Dos 351 cruzamentos regidos por sinais no perímetro da Avenida do Contorno, 134 já passaram por alteração no ciclo de abertura e fechamento.

Antes, o tempo somado das luzes verde, amarela e vermelha era de 120 segundos, mas foi reduzido para 90, em uma mudança que alcançará todos os cruzamentos do Centro até o ano que vem. Na prática, essa alteração diminui o tempo de verde e de vermelho em uma oportunidade, mas aumenta a quantidade de situações em que o sinal estará aberto/fechado, aproximando-se do que a engenharia de tráfego chama de ciclo ótimo.

Além da redução dos ciclos dos semáforos, a BHTrans está implantando no mesmo conjunto de cruzamentos internos ao perímetro da Avenida do Contorno uma política que considera uma velocidade menor de deslocamento dos pedestres. Isso significa que o tempo de travessia está aumentando, de acordo com o tamanho de cada cruzamento. Segundo o diretor de Sistema Viário da BHTrans, José Carlos Ladeira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que o tempo de travessia de um pedestre deve considerar que ele se locomove a uma velocidade de 1,2 metro por segundo, mas pesquisas feitas em BH consideram um deslocamento ainda mais lento, de 0,9 metro por segundo. “Isso significa um tempo maior de travessia”, diz o diretor.

José Carlos ainda explica que o objetivo da BHTrans nos cruzamentos regidos por semáforos na cidade é conseguir alcançar o chamado ciclo ótimo, em que coexista a melhor relação entre a fila formada pelo sinal fechado e o tempo de espera pela próxima vez em que o semáforo vai abrir. Nesse ponto, 134 cruzamentos internos da área da Contorno já tiveram modificação.

Com a queda da soma das luzes verde, amarela e vermelha de 120 para 90 segundos, em uma hora a quantidade de oportunidades passa de 30 para 40, e a soma dos segundos em que o semáforo fica aberto para os pedestres aumenta 20 segundos. “Com um ciclo muito grande, há muito tempo de verde, mas em compensação há também muito tempo de vermelho. A fila que vai causar pode fechar os cruzamentos atrás”, afirma o diretor.

Um dos locais que já contam com a modificação é a área hospitalar, onde os pedestres aprovaram a medida. “Achei melhor, porque a gente tem mais chances para atravessar e não tem que ficar esperando demais até a próxima vez”, disse a confeiteira Poliana Ferreira Rodrigues, de 31 anos, ao circular pelo cruzamento das avenidas Francisco Sales e Alfredo Balena.

"Para falar a verdade, eu não sabia da mudança, mas achei mais rápido o tempo que esperei para atravessar. Gostei, porque aumenta o conforto do pedestre”, afirma a enfermeira Alessandra Amorim, de 45. Segundo a BHTrans, áreas como a Praça Sete, entorno da rodoviária e hospitais já contam com a modificação, que chegará a todos os 351 cruzamentos do interior da Contorno até o ano que vem.

Nas avenidas Antônio Carlos, Cristiano Machado e Pedro I, 56 interseções também terão alterações no ciclo, porém de 160 segundos para 100, aumentando o número de oportunidades dos pedestres para atravessar esses corredores do Move. Apesar de os ciclos serem prefixados, situações adversas no trânsito da cidade podem alterar os padrões e exigir mudança nos tempos, o que é feito na Central de Operações da Prefeitura de BH (COP/PBH). Operadores dos semáforos têm autonomia para aumentar o tempo de verde ou de vermelho diante de acidentes, manifestações ou outras situações que exijam ação rápida para não prejudicar a fluidez.

NOVOS SINAIS


Outra linha de atuação em pontos de interseções da cidade exige a colocação de semáforos onde eles ainda não existem. Segundo a BHTrans, cada caso deve ser verificado de forma pontual, pois é importante analisar o fluxo de veículos, o fluxo de pedestres e até o contexto da região. Um dos últimos semáforos inaugurado na cidade disciplina a circulação na região onde se cruzam as avenidas Barão Homem de Melo e Professor Mário Werneck, em uma rotatória, no Bairro Estoril, Oeste da cidade. Com essa instalação, são 1.037 cruzamentos regidos por sinais luminosos em BH. Segundo José Carlos Ladeira, o sinal vai abrir caminho para os pedestres e liberar o fluxo em uma das entradas da rotatória, extremamente prejudicada pelo fluxo em direção ao Bairro Buritis.


Publicidade