Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Conheça a história do soldador que escapou da lama em Mariana e morreu em Brumadinho

Nos 1.177 dias que separam as tragédias, ele fez curso para se aprimorar no ofício, ergue a casa onde moram a viúva e a filha e fortaleceu laços familiares


postado em 29/04/2019 06:00 / atualizado em 29/04/2019 07:40

Vivalda exibe foto de Erídio na tela de celular, ao lado de Laércio e Arthur: 'Parece que ele estava adivinhando alguma coisa', diz a cunhada(foto: Túlio Santos/EM/D.A PRESS)
Vivalda exibe foto de Erídio na tela de celular, ao lado de Laércio e Arthur: 'Parece que ele estava adivinhando alguma coisa', diz a cunhada (foto: Túlio Santos/EM/D.A PRESS)

Os últimos dias foram de lembranças e preocupação para a cozinheira Janaína Geraldiene Moura, de 32 anos, mãe de Damares, de 7, e moradora da comunidade Dandara, na Região da Pampulha, em Belo Horizonte. De atestado médico, a menina esteve febril e não foi à escola, enquanto Janaína se dedicou a separar as roupas de Erídio Dias, com quem teve um relacionamento durante quase nove anos – “aos trancos e barrancos”, conforme define com uma ponta de humor e a intimidade de companheira, mas sem esconder o fio de tristeza na voz.

“Ainda não sei o que vou fazer, se enviar para a casa da mãe dele, doar para alguém, enfim, não sei”, contou a cozinheira, diante de calças, camisas e outras peças do soldador morto no rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho, na Grande BH. “Ele completaria 32 anos em 22 de maio. Na verdade, nasceu dois dias antes, mas foi registrado assim devido à data do batismo.”

A história do registro civil de Erídio é a deixa para Janaína acreditar que ele “nasceu de novo” em 5 de novembro de 2015, quando trabalhava na Barragem do Fundão, da Samarco, em Mariana, na Região Central – no desastre que comoveu o mundo, 19 pessoas perderam a vida. Porém, passados exatos 1.177 dias da destruição socioambiental sem precedentes, ele foi tragado pelo tsunami de lama que vazou há pouco mais de três meses (25 de janeiro), em Brumadinho, com o desolador saldo de quase 300 vítimas entre mortos e feridos. “Ele sempre lembrava de ter escapado de Mariana. Tinha um jeito meio gaiato, gostava de fazer graça. Até brincava sobre isso com a Damares, cheio de alegria. Isso significava um orgulho, uma vitória.”

Nesse período entre as duas tragédias, o soldador Erídio, caçula de seis irmãos, procurou aprimorar seu ofício, fazendo cursos de capacitação, concluiu a formação de técnico em mecânica, fortaleceu os laços familiares, especialmente com a mãe, Maria Madalena, de 73, residente em Sem-Peixe, na Zona da Mata do estado, fez planos de trabalhar em São Luís (MA), ergueu com Janaína os cômodos para morar e demonstrou todo o amor de pai. “Adorava a menina. Geralmente, ficava de segunda a sexta-feira no alojamento das empresas onde trabalhava. Viajava muito também. Chegava aqui só no sábado e retornava ao alojamento no domingo à tarde”, recorda-se Janaína. “O médico avisou que Damares está com a imunidade baixa, pela situação”.

Janaína e Damares diante da casa construída pelo casal: 'Fomos companheiros em momentos bons e difíceis', afirma a viúva(foto: Túlio Santos/EM/D.A PRESS)
Janaína e Damares diante da casa construída pelo casal: 'Fomos companheiros em momentos bons e difíceis', afirma a viúva (foto: Túlio Santos/EM/D.A PRESS)


MAR À VISTA Os dois dias – de renascimento numa quinta-feira, em Mariana, e de morte, numa sexta-feira em Brumadinho – estão muito fortes na memória de Janaína. No primeiro caso, a versão que Erídio contou para a ex-companheira é que teria ido “buscar ferramentas num caminhão”, ficando fora da alça de mira dos rejeitos de minério que devastaram a Bacia do Rio Doce. Já em Brumadinho, o fato é que Erídio estaria descansando logo após o almoço, quando tudo aconteceu. Aliás, nunca é demais lembrar que o refeitório da Vale ficava embaixo da barragem que se rompeu, ocasionando a morte de muitos funcionários.

“A gente se falava muito pelo celular, diariamente. Naquele dia, liguei para ele às 11h48, mas a ligação caiu. A tragédia ocorreu depois do meio-dia. Fiquei sabendo mesmo quando me avisaram”, diz Janaína, que, na comunidade Dandara, mora na Rua dos Palestinos. Agora, é tocar a vida, embora os dois nunca tenham feito plano de se casar. “Fomos companheiros em momentos bons e difíceis.”

Nesse período de mais de mil dias entre Mariana e Brumadinho, o menino nascido em Sem-Peixe, órfão de pais aos 2 anos de idade, e irmão de Laércio, Almíria, Esmeralda, Israel e Ataíde conheceu o mar. Trabalhou por um tempo numa plataforma no Rio de Janeiro (RJ) e até fez um vídeo que postou no Facebook. “E dizia que um dia levaria a Damares para ver o mar”. Com tanto para lembrar, Janaína não compactua da ideia de que tudo ocorreu por obra do destino, mas sim “pela irresponsabilidade” da Samarco (controlada, no caso de Mariana, pela Vale e BHP Billiton) e da Vale, em Brumadinho.

Ele sempre se lembrava de ter escapado de Mariana. Até brincava sobre isso com a Damares, cheio de alegria. Isso significava um orgulho, uma vitória

Janaína Geraldiene Moura, viúva de Erídio Dias



SINAL DE PERIGO Por onde se ande e se olhe, há sempre uma placa indicando rota de fuga e com informações sobre como proceder em caso de rompimento de barragens. Esse quadro, comum a muitas cidades do Quadrilátero Ferrífero, está presente também no Bairro JK, em Igarapé, na Grande BH. “Tem uma mineradora nesta região, dizem que está estabilizada”, conta o pedreiro Laércio Dias, de 46, casado, pai de três filhos e já avô. Primogênito de Maria Madalena, ele também culpa as empresas pela morte do irmão caçula, ao mesmo que vê aí um dedo do destino. “Acho que não temos como correr da morte”, observa pensativo.

Na sala de casa, ao lado da mulher, Vivalda Oliveira Santos, e do filho Arthur, de 10, Laércio mostra a foto de Erídio na tela do celular e os olhos baixam. “Ele ficou bem mais próximo de toda a família, sem falar na Damares, que adorava e queria muito que estudasse. Meu irmão passou também a ir mais a Sem-Peixe visitar nossa mãe, que o chamava de Guinho. Ninguém podia falar nada dele que brigava”, conta o pedreiro. “Quando ele chegava a Sem-Peixe, ainda dormia no canto da cama da mãe. Tinha até prometido voltar no carnaval.”

Para Vivalda, casada há 25 anos com Laércio, o cunhado ficou diferente depois de sair vivo de Mariana, o que creditava à sorte. “Parece que ele estava adivinhando alguma coisa. Um dia, fizemos um churrasco e ele avisou que não poderia vir. Mas depois veio, fez surpresa.” Jovem, boa pinta e sempre trabalhando em empresas diferentes, Erídio ficou com fama de namorador, o que não é negado pelo casal, que também enaltece o gosto enorme do soldador pelo trabalho. “Valorizava o serviço, falava muito sobre a importância da solda e tinha feito um curso de inspeção nesse setor”, conta o irmão.

Laércio lembra da mudança para Belo Horizonte como forma de melhorar a vida. “Minha mãe ficou viúva e, como eu era o mais velho, tive que ajudar a família. Depois, fui trazendo os irmãos para a capital e Laércio veio há uns 15 anos. Era um rapaz muito sossegado, falava pouco. Foi trabalhar em Brumadinho uns quatro meses antes da tragédia”, observa o irmão, citando o desejo do caçula de trabalhar nos navios no Maranhão. “A previsão era de viajar no fim de março. Tinha até um pendrive com vídeos de como usar a solda naval”, revela Laércio.

Já na porta de casa, Laércio critica o longo período entre a tragédia e o sepultamento, devido à identificação do corpo. “Foram quase dois meses até o enterro, que foi realizado em 20 de março, em Sem-Peixe, às 8h da noite. Foi muita gente de lá”, despede-se o pedreiro da equipe do EM, antes afirmando que “minha mãe ficou muito triste, abalada...ela que amava tanto seu filho caçula”.


Publicidade