Publicidade

Estado de Minas

Familiares de desaparecidos pedem agilidade nas buscas em Brumadinho

Até o momento foram 271 mortos identificados, mas 37 pessoas continuam desaparecidas depois do rompimento das barragens 1, 4 e 4-A da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho


postado em 25/04/2019 12:29 / atualizado em 25/04/2019 19:52

Cruzes e cartazes com fotos e nomes dos desaparecidos lembram as vítimas de Brumadinho(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A. Press)
Cruzes e cartazes com fotos e nomes dos desaparecidos lembram as vítimas de Brumadinho (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A. Press)
Os familiares de vítimas do rompimento da Barragem 1 da Mina Córrego do Feijão se reuniram nesta quinta (25) para pedir agilidade na identificação e localização de desaparecidos. Eles fizeram ato em frente ao memorial que foi montada na entrada de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O desastre, que deixou 233 mortos e 37 desaparecidos, completa três meses com dezenas de famílias sem saber o paradeiro dos entes queridos. Rosângela Lícia dos Santos, de 56, busca informações do irmão, o funcionário da Vale Rogério Antônio dos Santos, de 57 anos. "No momento do desastre, ele estava entre o refeitório e oficina", afirma. Ela pede agilidade no processo de identificação no Instituto Médico-Legal (IML), na capital.

A entrada da cidade de Brumadinho se tornou ponto de manifestação e lembrança da tragédia(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A. Press)
A entrada da cidade de Brumadinho se tornou ponto de manifestação e lembrança da tragédia (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A. Press)
Os familiares estenderam faixa com o nome dos desaparecidos e fotos dos entes queridos. "Hoje completam 90 dias que estamos enterrados na lama. Queremos sepultar as nossas 37 joias que não foram encontradas", afirma Josiane de Oliveira Melo, que perdeu a irmã Eliane de Oliveira Melo. "Hoje estaríamos em festa comemorando o aniversário de 40 anos da minha irmã", disse emocionada.

Os familiares fizeram a chamada com o nome de cada um dos desaparecidos, enquanto balões brancos subiam ao céu. As famílias não querem que a tragédia caia no esquecimento.

 

Outro lado 

 

Em nota, a Polícia Civil de Minas Gerais sustentou que o trabalho de identificação "é realizado conforme protocolo internacional e segue todos os parâmetros éticos e de responsabilidade". A corporação ressaltou que "trabalha dia e noite na identificação dos corpos e todos os esforços são realizados para trazer um alento aos familiares, de forma ágil e eficaz".

 

A polícia também destacou que "os instrumentos de identificação são variáveis, pois cada caso demanda um processo específico". Além disso, afirmou que as tarefas dependem "da extração do DNA, que pode ser complexo e também ser feito mais de uma vez em um determinado caso". 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade