Publicidade

Estado de Minas SEMANA SANTA

Bispos, padres e diáconos participam da Celebração Penitencial do Clero em Caeté

Domingo de ramos terá missas celebradas pelo arcebispo dom Walmor, na Serra da Piedade e na Tenda Cristo Rei, em BH


postado em 12/04/2019 16:11

Centenas de religiosos participaram da missa e depois das confissões ao ar livre (foto: FOTOS RAPHAEL CALIXTO/ARQUIDIOCESE DE BH/DIVULGAÇÃO)
Centenas de religiosos participaram da missa e depois das confissões ao ar livre (foto: FOTOS RAPHAEL CALIXTO/ARQUIDIOCESE DE BH/DIVULGAÇÃO)

No topo da Serra da Piedade, oração coletiva e peregrinação do clero às vésperas da Semana Santa, que começa domingo (14) com as bênçãos, missas e procissão do domingo de ramos. Em encontro presidido pelo arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, centenas de religiosos, entre bispos, padres e diáconos, participaram na manhã desta sexta-feira (12) da tradicional Celebração Penitencial do Clero, no Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Como ocorre sempre na sexta-feira que antecede as cerimônias da Paixão de Cristo, representantes de 277 paróquias de 28 cidades se confessaram em duplas ao ar livre – um ouvindo o outro e vice-versa, num gesto de humildade, reconhecimento dos pecados e das limitações.

“É uma tradição com mais de 50 anos no quase centenário da Arquidiocese de Belo Horizonte. Mas, muito mais do que isso, é um momento para atender a necessidade de cada um de nós, filhos e filhas de Deus, também pecadores. Precisamos da graça de Deus para nos reconciliar com Ele. E, reconciliados com o Pai, podemos ajudar cada pessoa a buscar essa reconciliação”, disse o arcebispo. Ele lembrou ainda que somente pela graça divina é possível combater a violência, ajudar os mais pobres e acreditar na força da Justiça. Durante a peregrinação à Serra da Piedade, os religiosos se dividem em duplas para confessar uns com os outros.

Como manda a tradição na Arquidiocese de Belo Horizonte, o arcebispo também ouve a confissão de um religioso(foto: FOTOS RAPHAEL CALIXTO/ARQUIDIOCESE DE BH/DIVULGAÇÃO)
Como manda a tradição na Arquidiocese de Belo Horizonte, o arcebispo também ouve a confissão de um religioso (foto: FOTOS RAPHAEL CALIXTO/ARQUIDIOCESE DE BH/DIVULGAÇÃO)


O domingo de ramos marca a abertura da semana santa na Igreja em todo o mundo. Em nota distribuída pela arquidiocese, os especialistas informam que os fiéis com ramos nas mãos acompanham procissões antes ou depois das missas, recordando a narração bíblica em que Jesus é acolhido por uma multidão em Jerusalém, acenando para o Messias com ramos de palmeira. “Começa, assim, conforme as Sagradas as Escrituras, o caminho que leva à paixão, morte e ressurreição de Jesus”.

Dom Walmor vai celebrar o domingo de ramos com peregrinos do Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade, com missa às 8h. Mais tarde, às 17h, em Belo Horizonte, dom Walmor participará com os que visitam o canteiro de obras da Catedral Cristo Rei, no Bairro Juliana, na Região Norte. A procissão com os ramos será realizada no interior do terreno.“


Publicidade