Publicidade

Estado de Minas

Traficante Roni Peixoto, braço direito de Beira-Mar, passa para regime domiciliar

Decisão da Justiça determinou que 'Gordo' saísse de regime semiaberto para cumprir pena em casa. Em 2011, o traficante foi preso e ficou foragido por um ano após sair para trabalhar


postado em 03/04/2019 14:16 / atualizado em 03/04/2019 15:44

(foto: Rodrigo Clemente/EM/D.A Press - 04/10/2012)
(foto: Rodrigo Clemente/EM/D.A Press - 04/10/2012)

O ex-traficante Roni Peixoto, condenado a 35 anos de prisão por tráfico de drogas, cumpre a partir desta quarta-feira regime aberto domiciliar. A Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) informou que o braço direito de Fernandinho Beira-Mar deixou a Penitenciária José Maria Alkimin, em Ribeirão das Neves, na Grande BH, às 12h15.

De acordo com a Seap, Roni foi solto após a unidade prisional ser notificada com alvará de soltura e prisão domiciliar expedida pela Justiça. O ex-traficante cumpria o regime semiaberto desde março de 2018.

Histórico


Em julho de 2011, Roni Peixoto deixou a Penitenciária José Maria Alckmin, na Grande BH, beneficiado pela Justiça com o regime semi-aberto. Na época, os advogados do traficante apresentaram um pedido para que ele trabalhasse em um centro automotivo. No entanto, ele desapareceu. Roni foi encontrado em outubro do ano seguinte, em Goiânia, vivendo em uma casa sob forte sistema de segurança.

Preso novamente em 2012 na Nelson Hungria, o traficante, também conhecido como “Gordo”, é apontado pela polícia como braço direito de Fernandinho Beira-Mar. Ele chegou a comandar o tráfico na Pedreira Prado Lopes, na capital mineira, onde, segundo levantamentos da polícia, chegava a faturar cerca de R$ 50 mil por dia com a venda de drogas.

Em março do ano passado, ele deixou a Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, sendo transferido para o Complexo Público Privado III, em Ribeirão das Neves. Em maio foi transferido para o Presídio Antônio Dutra Ladeira. Em junho foi transferido novamente no dia para a Penitenciária José Maria Alkimin, onde crumpria regime semiaberto até então.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade