Publicidade

Estado de Minas

Simulado de rompimento de barragem em São Gonçalo do Rio Abaixo teve público acima do esperado

A lama de rejeitos levaria 7h45 para atingir o município. O tempo gasto para que todas as pessoas saíssem da mancha de inundação foi de 46 minutos


postado em 03/04/2019 11:13 / atualizado em 03/04/2019 19:17

O tempo gasto para que todas as pessoas saíssem da mancha de inundação foi de 46 minutos(foto: Defesa Civil de Minas Gerais/Divulgação)
O tempo gasto para que todas as pessoas saíssem da mancha de inundação foi de 46 minutos (foto: Defesa Civil de Minas Gerais/Divulgação)
Moradores de São Gonçalo do Rio Abaixo, na Região Central de Minas Gerais, participaram de uma simulação de evacuação em caso de rompimento de barragem nesta quarta-feira. O coordenador adjunto de Defesa Civil, tenente-coronel Flávio Godinho, classificou as operações como “sucesso absoluto”. Eram esperados pela Defesa Civil a participação de 2.444 pessoas no simulado. Entretanto, foi contabilizada a presença de 2.674 pessoas. Ou seja, superou a expectativa e a adesão foi de 109%. 

A lama de rejeitos levaria 7h45 para atingir o município.  Para que todos participem, foi decretado feriado municipal na cidade. A ação foi coordenada pela Defesa Civil Estadual, que desde as 9h fez reuniões em diferentes bairros para orientar a população sobre os procedimentos. A simulação começou às 15h. "Atingimos todos os nossos objetivos", completou o tenente-coronel. 

O tempo gasto para que todas as pessoas saíssem da mancha de inundação foi de 46 minutos. "A primeira pessoa a chegar em um dos 13 pontos de encontro existentes na cidade, o fez em 2 minutos. E a última delas chegou em 46 minutos. Com isso, teríamos mais de 7h de sobra para fazermos a evacuação completa", contou.

Reunião com moradores de São Gonçalo do Rio Abaixo, na Praça Central, nesta quarta(foto: Defesa Civil de Minas Gerais/Divulgação)
Reunião com moradores de São Gonçalo do Rio Abaixo, na Praça Central, nesta quarta (foto: Defesa Civil de Minas Gerais/Divulgação)
Antônio Carlos (PDT), prefeito da cidade, elogiou os trabalhos. "Isso gerou transparência e informação para todos os moradores. O que eu puder fazer de bem para a nossa cidade, nós vamos fazer. Já enviamos para a Câmara um projeto de lei que passa o comando das sirenes para o município, o que visa evitar o que aconteceu no dia 22 de março, quando a sirene foi acionada de forma errada e causou pânico na população. O povo da nossa cidade é ordeiro e não merecia passar por isso", concluiu. 

Em fevereiro, a Justiça ordenou que a Vale parasse de despejar rejeitos e deixasse de praticar qualquer atividade que ameaçasse as estruturas de oito barragens de Minas. A ordem incluía a desativação da barragem Laranjeiras, da Mina de Brucutu, em São Gonçalo do Rio Abaixo, considerada a maior de Minas Gerais e um dos maiores complexos minerários do mundo. A mina teve suas atividades suspensas.

Foram necessários 36 atendimentos médicos aos moradores, contudo nenhum deles necessitou de um encaminhamento para o hospital. O efetivo empregado na operação foi de 452 pessoas. 70 veículos foram usados, além de 10 ambulâncias e duas aeronaves. 

Números do simulado em São Gonçalo do Rio Abaixo (03/04/2019)

Número de participantes: 2.674 pessoas
População que pode ser afetada: 2.444 pessoas
Percentual de adesão: 109%
Tempo gasto para que todas as pessoas saíssem da mancha de inundação:  46 minutos
Tempo mínimo: 02 minutos


Veja o mapa da mancha de inundação em caso de rompimento de barragem em São Gonçalo do Rio Abaixo

 


Publicidade