Publicidade

Estado de Minas

Mão da estátua de Carlos Drummond de Andrade estava no prédio da PBH

Parte da estátua havia desaparecido e a suspeita era de vandalismo. No entanto, peça havia sido levada para a sede do Executivo Municipal


postado em 03/04/2019 06:00 / atualizado em 03/04/2019 08:00

Agente da Guarda Municipal achou que a peça estava pendente, recolheu e a levou à prefeitura(foto: Marcos Vieira/EM/DA Press)
Agente da Guarda Municipal achou que a peça estava pendente, recolheu e a levou à prefeitura (foto: Marcos Vieira/EM/DA Press)


Não foi ato de vandalismo – apenas excesso de zelo e falta de comunicação entre funcionários. A mão direita da escultura em bronze do poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) nunca foi furtada conforme divulgado ontem. A história é bem diferente, conforme apurou o Estado de Minas: em dezembro, um integrante da Guarda Municipal passou diante da peça localizada na esquina das ruas Goiás e Bahia, no Centro da capital, e, vendo que a mão estava pendente, possivelmente devido à falta de manutenção e mau tempo, achou melhor retirá-la e guardá-la no prédio da Prefeitura de Belo Horizonte, na Avenida Afonso Pena, 1.212, com entrada também pela Goiás.

Logo após a retirada espontânea, foi feito um boletim de ocorrência, mas o fato não foi comunicado às autoridades da Fundação Municipal de Cultura ou Secretaria Municipal de Cultura (SMC). Somente agora, com o caso na ribalta, é que houve o esclarecimento. De acordo com a assessoria da PBH, a reinstalação do pedaço em bronze será feita pela equipe da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura com acompanhamento de técnicos da SMC.

De acordo com as estatísticas da Guarda Municipal de BH, de 1ª a 21 de janeiro deste ano, foram registradas nove ocorrências de vandalismo, a maior parte na Praça da Liberdade, na Região Centro-Sul, reaberta em dezembro depois de seis meses de obras. Em 2018, foram 292 contra 329 em 2017, e os danos se referem a quebra parcial ou total de um bem público em todo o município. Segundo a PBH, não há data para recolocação da peça que homenageia o autor itabirano dos livros Boitempo, A rosa do povo, Sentimento do mundo e outros. 

POESIA
Com 1,70 metro de altura e pesando 200 quilos, a estátua de Carlos Drummond de Andrade forma, junto com a do escritor mineiro e médico Pedro Nava (1904-1984), a obra denominada Praça da Poesia. Para quem passa por essa área movimentada da capital, a cena recria uma conversa entre os amigos que se destacaram na cena literária brasileira e deixaram romances, poesias, contos, artigos para jornal e outros escritos memoráveis.

As duas esculturas foram produzidas pelo artista plástico Léo Santana e inauguradas em 2003, ano em que os escritores completariam 100 anos. Carlos Drummond de Andrade e Pedro Nava se conheceram na capital e iam com frequência ao Café Estrela (demolido, para dar lugar a um prédio), na Rua da Bahia, local muito visitado por escritores na década de 1920.

Embora não tenha sido ato de vandalismo, já houve outras agressões a esse tipo de patrimônio, em BH. Em 2015, foi a vez da estátua do escritor Roberto Drummond, na Praça Diogo de Vasconcelos, na Região da Savassi, Região Centro-Sul: a escultura em bronze foi sujada com tinta vermelha. No ano anterior, a menos de 50 metros da sede do Comando-geral da Polícia Militar, na Praça da Liberdade, vândalos picharam as esculturas dos escritores Otto Lara Resende, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos e Hélio Pellegrino, na entrada da Biblioteca Pública de Minas Gerais.


Publicidade