Publicidade

Estado de Minas

Comunidade pede ajuda para que Macacos deixe condição de 'cidade-fantasma' depois de sirene

Moradores fazem pe­re­gri­na­ção por apoio em ba­ta­lha pa­ra re­cu­perar a eco­no­mia do dis­tri­to, es­va­zi­a­do des­de que a Vale anunciou ris­co em bar­ra­gem


postado em 01/03/2019 06:00 / atualizado em 01/03/2019 10:04

Fai­xas afi­xa­das na BR- 356, ro­do­via que dá aces­so ao po­vo­a­do, co­bram saí­das pa­ra a cri­se que se ins­ta­lou en­tre do­nos de pon­tos comerciais(foto: Ale­xan­dre Gu­zan­she/EM/DA Press)
Fai­xas afi­xa­das na BR- 356, ro­do­via que dá aces­so ao po­vo­a­do, co­bram saí­das pa­ra a cri­se que se ins­ta­lou en­tre do­nos de pon­tos comerciais (foto: Ale­xan­dre Gu­zan­she/EM/DA Press)


“Des­de o mo­men­to em que to­cou a si­re­ne, Ma­ca­cos vi­rou uma ci­da­de-fan­tas­ma.” A fra­se do do­no de pou­sa­da Da­vid Fa­jar­do, de 40 anos, re­su­me bem a si­tua­ção da po­pu­la­ção que mo­ra e vi­ve do co­mér­cio em São Se­bas­tião das Águas Cla­ras, dis­tri­to de No­va Li­ma po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­do co­mo Ma­ca­cos, que amar­ga a in­cer­te­za e a an­gús­tia des­de que a Va­le acio­nou as si­re­nes da Bar­ra­gem B3/B4, in­di­can­do a ne­ces­si­da­de de saí­da ime­dia­ta de cer­ca de 315 pes­soas de suas ca­sas.

Se de um la­do o trans­tor­no atin­giu em cheio os mo­ra­do­res obrigados a deixar a cha­ma­da zo­na de au­tos­sal­va­men­to, aque­la on­de o ris­co é mais crí­ti­co, de ou­tro as in­for­ma­ções so­bre ris­co de rom­pi­men­to do re­ser­va­tó­rio de re­jei­tos de mi­né­rio fizeram com que tu­ris­tas de­sa­pa­re­ces­sem, can­ce­lan­do hos­pe­da­gens e es­va­zian­do res­tau­ran­tes. A si­tua­ção ge­rou uma mo­bi­li­za­ção de mo­ra­do­res e co­mer­cian­tes, que pe­dem so­cor­ro e ten­tam se en­vol­ver no maior nú­me­ro pos­sí­vel de fren­tes pa­ra co­brar o res­ga­te da si­tua­ção an­te­rior ao alar­me se­gui­do de eva­cua­ção.

Nes­se con­tex­to de bus­ca por aju­da de qual­quer fren­te pos­sí­vel, a pe­re­gri­na­ção de mo­ra­do­res e co­mer­cian­tes on­tem co­me­çou com o en­con­tro com de­fen­so­res pú­bli­cos de Mi­nas Ge­rais. Do­nos de ne­gó­cios no vi­la­re­jo pe­di­ram aju­da pa­ra co­brar da Va­le uma so­lu­ção que tra­ga de vol­ta o tu­ris­mo aque­ci­do na re­gião. “A gen­te não via es­se ce­ná­rio (de fu­ga de tu­ris­tas) des­de 2001, quan­do so­fre­mos com o rom­pi­men­to da Mi­ne­ra­ção Rio Ver­de, que in­ter­di­tou nos­sa es­tra­da por mui­to tem­po. Na épo­ca te­ve co­mer­cian­te que que­brou, mui­ta gen­te foi man­da­da em­bo­ra e a co­mu­ni­da­de cus­tou a se le­van­tar de no­vo. Ago­ra, por cau­sa de uma si­re­ne Ma­ca­cos mor­reu”, acres­cen­ta Da­vid Fa­jar­do.

''Desde o dia 16 a sirene tocou e a parte do turismo acabou. A gente não está tendo público em Macacos. As pessoas estão com medo. Tem comércio de amigos nossos que está fechado, e eu mesma tive que dispensar dois funcionários''

Geruza França Brasileiro, 37 anos, comerciante



Ele tem uma pou­sa­da com dois cha­lés, que ren­de­riam R$ 4 mil de pa­co­tes pa­ra o car­na­val, mas as duas re­ser­vas fo­ram can­ce­la­das. “A pou­sa­da é mi­nha úni­ca fon­te de ren­da. Te­nho 40 anos e não te­nho con­di­ção de sair pro­cu­ran­do em­pre­go nu­ma ho­ra des­sa. Por mais que a Va­le fa­le e apre­sen­te 10 lau­dos com­pro­van­do que não tem ris­co de es­tou­rar, são pou­cos os que irão pa­ra Ma­ca­cos. Is­so vai de­mo­rar a se nor­ma­li­zar”, com­ple­ta Fa­jar­do.

Do­na de um bis­trô no vi­la­re­jo, Ge­ru­za Fran­ça Bra­si­lei­ro, de 37, en­fren­tou um ano de obras pa­ra adap­tar o res­tau­ran­te an­tes de abrir o es­pa­ço que ela já co­man­da há 12 me­ses. “Des­de o dia 16 a si­re­ne to­cou e a par­te do tu­ris­mo aca­bou. A gen­te não es­tá ten­do pú­bli­co em Ma­ca­cos. As pes­soas es­tão com me­do. Tem co­mér­cio de ami­gos nos­sos que es­tá fe­cha­do, e eu mes­ma ti­ve que dis­pen­sar dois fun­cio­ná­rios”, con­ta ela.

To­das es­sas quei­xas fo­ram pas­sa­das à De­fen­so­ria Pú­bli­ca de Mi­nas Ge­rais. O de­fen­sor An­tô­nio Lo­pes de Car­va­lho Fi­lho, coor­de­na­dor do Nú­cleo de Vul­ne­rá­veis, dis­se es­tar es­ta­be­le­cen­do li­nhas de diá­lo­go com a Va­le pa­ra ten­tar re­sol­ver o pro­ble­ma sem ne­ces­si­da­de de re­cor­rer à Jus­ti­ça. “Te­nho ti­do con­ver­sas com to­dos os se­to­res. Não vou di­zer que va­mos con­se­guir sem­pre 100% do que de­man­da­mos, mas ex­tra­ju­di­cial­men­te a De­fen­so­ria Pú­bli­ca tem de­mons­tra­do um grau de êxi­to mui­to bom. São da­nos imen­sos que mo­di­fi­cam to­da uma es­tru­tu­ra de vi­da. As pes­soas ti­ve­ram per­da de ren­da, e pre­ci­sa­mos pen­sar co­mo que es­sa ren­da vai ser re­com­pos­ta”, afir­ma.

Transporte e compensação


Mais tar­de, na Câ­ma­ra de No­va Li­ma, no­va reu­nião da co­mu­ni­da­de de Ma­ca­cos. En­tre as de­man­das di­re­cio­na­das à Va­le, os pre­sen­tes so­li­ci­ta­ram a aber­tu­ra ade­qua­da da Es­tra­da Cam­po do Cos­ta, pa­vi­men­ta­da e si­na­li­za­da, de­vol­ven­do a co­ne­xão ao mu­ni­cí­pio de No­va Li­ma. Ou­tra co­bran­ça é so­bre mo­ra­dia ime­dia­ta pa­ra a po­pu­la­ção desalojada, além de apor­te fi­nan­cei­ro pa­ra os atin­gi­dos in­di­re­ta­men­te. Os mo­ra­do­res tam­bém pe­dem a re­du­ção ime­dia­ta do vo­lu­me das re­pre­sas Ca­pão da Ser­ra e Ta­qua­ras, pa­ra pos­te­rior es­va­zia­men­to, e pos­sí­veis to­ques de si­re­ne ape­nas no pe­río­do diur­no, com avi­so pré­vio. As de­man­das in­cluem ain­da cui­da­dos pa­ra evi­tar pâ­ni­co des­ne­ces­sá­rio, ela­bo­ra­ção de ma­pas de inun­da­ção de to­das as bar­ra­gens em Ma­ca­cos e o re­for­ço das ações as­su­mi­das pe­la em­pre­sa quan­do hou­ve o aler­ta.

De acor­do com o ve­rea­dor Faus­to Mi­qui­ni (PSD), pre­si­den­te da Câ­ma­ra de No­va Li­ma, es­ti­ve­ram pre­sen­tes mo­ra­do­res de Ra­po­sos, Rio Aci­ma e No­va Li­ma. As de­man­das fo­ram re­pas­sa­das pa­ra qua­tro re­pre­sen­tan­tes da Va­le que es­ti­ve­ram no en­con­tro. “Os fun­cio­ná­rios não sou­be­ram di­zer na­da. Fi­ca­ram de le­var res­pos­tas pa­ra a po­pu­la­ção em 13 de mar­ço, quan­do te­re­mos uma au­diên­cia pú­bli­ca na ci­da­de. Fo­ram cria­dos 15 tó­pi­cos pa­ra co­brar da mi­ne­ra­do­ra”, afir­mou o ve­rea­dor.

Ques­tio­na­da so­bre as de­man­das da po­pu­la­ção de Ma­ca­cos, a Va­le se li­mi­tou a res­pon­der que “vem man­ten­do diá­lo­go cons­tan­te com as co­mu­ni­da­des e au­to­ri­da­des lo­cais, a fim de ava­liar e dis­cu­tir as ações de mi­ti­ga­ção e re­pa­ra­ção a se­rem rea­li­za­das no cur­to, mé­dio e lon­go pra­zos”. Ain­da se­gun­do a mi­ne­ra­do­ra, a De­fe­sa Ci­vil, em ní­veis es­ta­dual e mu­ni­ci­pal, es­tá au­to­ri­zan­do o re­tor­no de mo­ra­do­res de No­va Li­ma que vi­vem fo­ra das zo­nas de au­tos­sal­va­men­to das bar­ra­gens de Var­gem Gran­de e B3/B4, e que fo­ram re­ti­ra­dos de suas ca­sas pre­ven­ti­va­men­te. “As fa­mí­lias es­tão sen­do co­mu­ni­ca­das por meio de car­tas ofi­ciais e pre­sen­cial­men­te, por equi­pes da Va­le e da De­fe­sa Ci­vil de No­va Li­ma”, in­for­mou a com­pa­nhia, acres­cen­tan­do que fa­rá os es­cla­re­ci­men­tos ne­ces­sá­rios pa­ra tran­qui­li­zar quem te­nha dú­vi­das so­bre  a se­gu­ran­ça e que “não ar­ca­rá, a par­tir des­te mo­men­to, com des­pe­sas da­que­les que não es­tão em áre­as de ris­co re­co­nhe­ci­das”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade