Publicidade

Estado de Minas

Brumadinho recebe religiosos e pessoas que querem ver cenário da tragédia

Desde a catástrofe é intenso o movimento de visitantes na área atingida. Muitos oferecem conforto espiritual e tentam ajudar, mas o fluxo de curiosos também incomoda moradores


postado em 04/02/2019 06:00 / atualizado em 04/02/2019 08:29

Maria Helena de Castro se concentra em preces diante do letreiro que virou memorial: pedido de conforto para as famílias(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)
Maria Helena de Castro se concentra em preces diante do letreiro que virou memorial: pedido de conforto para as famílias (foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)


Logo na entrada da cidade, há uma placa onde se lê “Oremos por Brumadinho”. Foi instalada após o rompimento da Barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão – o número de vítimas já chega a 121 mortos. Duzentos e doze estão desaparecidos e, a cada divulgação de balanço pelas autoridades, mais apertado fica o coração das famílias atingidas. Sensíveis à situação e dispostas a ajudar com preces e energia positiva a quem sofreu ou perdeu parentes na catástrofe, muitas pessoas de outros municípios chegam a todo momento e se unem de mãos dadas, rezam de mãos postas, elevam os braços ao céu ou preferem o silêncio reflexivo.

Mais adiante da mensagem de convite às orações, perto de um restaurante, fica o letreiro formando o nome do município, agora transformado em uma espécie de memorial ecumênico de manifestações afetivas em homenagem aos mortos e desaparecidos. Sob as consoantes e vogais pintadas de branco há velas, bandeiras do Brasil e de Minas, camisas de times, e, no gramado, palavras escritas em preto (sabedoria, igualdade, perdão, entre outras), cruzes fincadas com nomes completos de vítimas e outras demonstrações de saudade.

Enquanto uns rezam ou oram em respeito às vítimas, outros chegam a Brumadinho movidos pela simples curiosidade de conhecer as áreas devastadas, conversar com as famílias enlutadas ou assistir aos pousos e decolagens dos helicópteros das operações de resgate. No sábado de manhã, a Política Militar isolou algumas vias de acesso à comunidade de Alberto Flores, já que, na estrada de terra, era grande o número de veículos com placas da capital e do interior. 

MÃOS DADAS
Moradora de Divinópolis, na Região Centro-Oeste, e de fé católica, Maria Helena de Castro se emocionou muito diante do letreiro com mensagens de saudade. “Só peço mesmo a Deus que dê conforto a todas as famílias. Só Ele mesmo para ajudar neste momento tão difícil. Rezo bastante, tudo é muito comovente”, disse ela, na companhia da nora e das netas que perderam uma pessoa próxima na tragédia de 25 de janeiro.

“O momento é de solidariedade com o próximo, de fé e força, independentemente da crença de cada um. Hora de ajudar o irmão”, acredita Ledemir França, de 25 anos, atuante em movimentos sociais em Brumadinho. “Cremos em um só Deus, a vida segue, por isso precisamos estar unidos. As orações são importantes para as almas que choram e pedem socorro”, disse o jovem que, na sexta-feira, participou da caminhada pacífica pelas ruas da cidade.

Aproveitando a folga do fim de semana, um grupo de seis jovens evangélicos residentes no município vizinho de Betim fez questão de visitar comunidades com áreas devastadas pelos milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério despejados durante o estouro da barragem da Vale. “Viemos ajudar de alguma forma. E acho que o melhor jeito é orando”, disse Alex Mansur, de 26, ao lado de Pedro Henrique Campos, de 19, Alessandro Mendonça, de 26, Laysse Medeiros, de 19, Fabíola Borges, de 22, e da irmã dele, Melissa Mansur, de 19.

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)


Pela primeira vez em visita a Brumadinho depois da tragédia que comove o mundo, os jovens da Igreja Batista Nova Jerusalém, de Betim, Grande BH, caminharam pelas ruas do Parque da Cachoeira e de Alberto Flores. Depois se deram as mãos e, em silêncio, oraram por mortos e desaparecidos.

Chegar às margens de onde um dia foi verde e teve vida plena causa um certo horror. Pisar a lama de rejeitos, ainda mole, sob o sol quente do meio-dia, faz o coração pulsar em ritmo de reverência aos mortos e desaparecidos. Morador do Bairro Jardim Vitória, na Região Nordeste de BH, o comerciante Gladiston Oliveira Santos, de 38, foi de moto a Brumadinho. Contou que não tem religião, mas sentiu a necessidade de fazer uma oração bem perto dos lugares afetados violentamente pela onde de resíduos.

De pé, em completo silêncio, Gladiston contemplou o lamaçal que se tornou a parte baixa do Parque da Cachoeira e, por não seguir doutrinas religiosas, fez sua própria oração. “Só estou pedindo a Deus que todas essas pessoas que morreram aqui e outros lugares descansem em paz. A tristeza é muito grande, ainda mais diante de toda essa terra devastada”, afirmou. 

“FOI DEUS”
Bem perto do lamaçal do Parque da Cachoeira estava Cláudio Pereira dos Santos, de 32, solteiro, que escapou milagrosamente de ser tragado pela onda de rejeitos. “Foi Deus”, resumiu, sobre os segundos que viveu no início de tarde da última sexta-feira de janeiro. Funcionário da Vale e com funções na portaria da unidade desde 2007, estava na sua sala quando recebeu uma mensagem da sobrinha, pelo WhatsApp, às 12h24. “Fiz o cadastramento da última nota fiscal e fui ao banheiro. O rompimento da barragem se deu às 12h28.”

A primeira sensação, conta Cláudio, foi de ouvir pneus estourando. Na sequência, na volta do banheiro, tomou pé da situação e saiu por uma janela em direção à mata. Como tinha conhecimento da região, correu o que pôde até ficar seguro. “Estou recebendo todo apoio da Vale, não posso reclamar. Estou sendo acompanhado por psicólogos e tomando remédios para dormir. Acho que ainda vai demorar um tempo para voltar ao trabalho”, afirmou Cláudio, certo de que lugar diante de seus olhos virou um cemitério. “Acabou”, lamenta.

Várias pessoas se concentram em ponto no qual policiais militares montaram bloqueio(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Várias pessoas se concentram em ponto no qual policiais militares montaram bloqueio (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)


VISITANTES PARAM EM BARREIRA Pelos caminhos que levam à mancha de lama que tomou conta de parte do município, tem sido quase uma inversão do ditado: o que o coração sentiu, os olhos agora querem ver. Ver para crer no tamanho da catástrofe. Não foram poucos os moradores da Grande Belo Horizonte que aproveitaram o fim de semana para visitar Brumadinho e tentar chegar próximo ao rastro de destruição provocado pelo rompimento da Barragem 1 da Mina Córrego do Feijão, da Vale.

“É a maior tragédia do país. Maior do que a da Boate Kiss, do que a do avião... Superou todas”, diz Gilberto da Silva, de 40 anos, que saiu de Betim com a filha e a esposa para tentar enxergar o tamanho do desastre. Até agora, 121 pessoas morreram e 212 estão desaparecidas. Ivânia da Silva, também de 40, quis ver com os próprios olhos a devastação causada pelos 12 milhões de metros cúbicos de barro. “A gente vê na TV e parece não acreditar que é tão perto da gente”, diz.

O isolamento montado pela Polícia Militar próximo à “zona quente”, onde as buscas pelas vítimas estão se concentrando, impediu o acesso de muitos curiosos, que também procuraram pontos mais altos para contemplar o mar de lama. Mas, mesmo quem ficou na barreira policial aproveitou para fazer selfies, fotografar e filmar a região e as aeronaves que, a todo momento, cortam o céu de Brumadinho no interminável trabalho de resgate de corpos.

É tanta gente que moradores como Walisson Marcelino, de 37, do Parque da Cachoeira, não aguentam mais. “Tem muito curioso. Gente entrando no fundo da casa. Ninguém tem mais sossego, não”, reforça.

Antes destino turístico por causa da natureza bucólica e do Instituto Inhotim, maior museu a céu aberto do mundo,  Brumadinho agora tem atraído visitantes que querem matar a curiosidade, oferecer ajuda ou até se aventurar por áreas consideradas de risco pelas autoridades.

Corretor de seguros especializado em meio ambiente, Wilson Costa foi a Brumadinho para ampliar a bagagem profissional. “Trabalho justamente com risco ambiental”, justifica. Terminou a empreitada sem sucesso, na estrada de Alberto Flores, interditada para retirada de rejeitos.

O trio de ciclistas Adriano Andrade, de 49 anos, Vinícius Andrade, de 18, e Henrique Andrade, de 15, pai e filhos, decidiram encarar a ida a Brumadinho como uma aventura. Eles saíram de Sarzedo e iam pedalar até Casa Branca. “Estava acostumado a fazer esse trajeto, passando pela mineradora e por debaixo da ponte que caiu. Quero ver se o caminho ainda existe”, conta Vinícius. 

AJUDA 
Muita gente também chegou ao município com braços abertos para ajudar. “Queremos sentir esse contato com a realidade. A gente quer ajudar, nem que seja para separar mantimentos”, comenta a dentista Isabel Gradisse, de 28. A professora Adriana Coury, de 45, moradora de Betim, passou pela região uma semana antes da tragédia. “ Viemos há poucos dias aqui de moto para visitar o Inhotim. O sentimento é de querer ajudar, nem que seja fazendo uma oração “, comenta. Ela estava acompanhada do marido e de um casal de amigos. O grupo trouxe remédios calmantes para doação e aproveitou para tentar avistar parte da destruição.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade