Publicidade

Estado de Minas

Em luto pela dor dos familiares das vítimas de Brumadinho, Inhotim adia reabertura

Centro de artes manifesta solidariedade a todas as pessoas afetadas pela tragédia. Casamento, que aconteceria no local, foi adiado para Belo Horizonte


postado em 29/01/2019 18:01 / atualizado em 31/01/2019 13:39

Inhotim abriga um complexo museológico com uma série de pavilhões e galerias com obras de arte e esculturas expostas ao ar livre(foto: Euler Júnior/EM)
Inhotim abriga um complexo museológico com uma série de pavilhões e galerias com obras de arte e esculturas expostas ao ar livre (foto: Euler Júnior/EM)
 
  
Em nota divulgada para a imprensa, o instituto Inhotim informa que diante da triste tragédia que assola toda a região de Brumadinho desde o dia 25/01, decidiu adiar sua reabertura, prevista inicialmente para esta sexta-feira (01/02). A instituição vem acompanhando de perto os desdobramentos do desastre e continua mobilizada para prestar apoio à comunidade e aos atingidos pelo rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão. Com a decisão, os noivos Beatriz e Roberto, que se casariam no centro de artes neste sábado, tranferiram a cerimônia para uma casa de festas em Belo Horizonte.
 
De acordo com um amigo do casal, a cerimônia estava agendada no local havia um bom tempo. Eles tiveram dúvidas ao tomar a decisão se manteriam ou não o cronograma diante do luto que toma conta dos moradores da cidade. Com a decisão de Inhotim manter-se fechado, e por não ter clima para comemorações, foi necessária a tranferência da cerimônia.
 
Em nota publicada no site dos noivos, eles avisam aos convidados: “Na tarde de ontem (30/1), fomos surpreendidos com uma carta aberta expedida pelo intituto Inhotim, comunicando a decisão da sua diretoria de que o casamento não poderia mais acontecer nas dependências do parque. Em virtude disso, e para minimizar os transtornos que seriam causados com o cancelamento ou adiamanto, decidimos transferir o evento para Belo Horizonte. Teremos festa sim!!!” finaliza.


Neste momento de luto, o diretor-geral de Inhotim Antônio Grassi fala da importância do instituto : “Enquanto instituição cultural referência na região, nos comprometemos a utilizar todos os nossos meios possíveis para apoiar na recuperação da cidade e na superação dessa grande tragédia. O Inhotim tem um papel importantíssimo para continuar atraindo turistas para a região. Entendemos também que cultura, arte, meio ambiente e educação, que são os grandes pilares do Inhotim, têm um papel fundamental no desenvolvimento humano e da sociedade. E terá um papel crucial na reconstrução da cidade nos próximos anos.”

O maior Museu de Arte Contemporânea da América Latina se encontra no epicentro da tragédia, a poucos quilômetros do local onde se rompeu a Barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho. Apesar de o parque não ter sido atingido diretamente pelo “mar de rejeitos”, cerca de 80% de seu quadro de funcionários é formado por moradores da região. São pessoas que perderam parentes, amigos, ou mesmo suas residências. Isso afeta psicologicamente a vida de todos, tanto que, ao analisar os impactos dessa fatalidade, o instituto criou um comitê de crise e montou uma estrutura para dar apoio emocional ao seus empregados. 

De acordo com Antônio Grassi, o foco é no fator humano. “Em solidariedade à comunidade de Brumadinho e a todos os atingidos pelo rompimento da Barragem da Mina do Córrego do Feijão. A instituição está toda mobilizada para prestar assistência aos atingidos e aos nossos funcionários e funcionárias. Até o momento, parentes de 41 funcionários do Inhotim continuam desaparecidos. Nossa prioridade é acolher os nossos funcionários, dar todo suporte que eles precisarem e apoio psicológico”, observa.  

Desde sua abertura ao público, em 2006, o Instituto Inhotim, que recebe cerca de 350 mil visitantes por ano, se consolidou como um dos principais destinos turísticos, culturais e artísticos de Minas Gerais. Sua criação impulsionou o comércio, o turismo, a criação de hotéis, restaurantes, pousadas, tornando-se um importante ator econômico na região. O Inhotim tem cerca de 600 funcionários, entre diretos e indiretos. É uma importante fonte de renda da cidade e geração de emprego. Muitos dos jovens de Brumadinho têm seu primeiro emprego no Inhotim.
 
Para chegar ao Instituto Inhotim o acesso terá que ser feito pela BR 381, entrar na cidade de Mário Campos e depois Brumadinho. Mais informações: www.inhotim.org.br


Publicidade