Publicidade

Estado de Minas

Pai é suspeito de estuprar a filha durante sete anos no Triângulo Mineiro

Segundo a Polícia Civil, as investigações contaram com o apoio de psicólogos e assistentes sociais. Denúncias de abusos podem ser feitas no Disque Direitos Humanos (100)


postado em 05/11/2018 18:08 / atualizado em 05/11/2018 19:08

Casos de violência sexual podem ser denunciados no número 100(foto: Reprodução/Pixabay)
Casos de violência sexual podem ser denunciados no número 100 (foto: Reprodução/Pixabay)
A Polícia Civil divulgou, nesta segunda-feira, a prisão de um comerciante, de 39 anos, suspeito de estuprar a própria filha durante sete anos na cidade de Santa Vitória, no Triângulo Mineiro. A pré-adolescente, que atualmente tem 13 anos, teria denunciado o pai após conversa com psicólogos e assistentes sociais.

Segundo o delegado da Polícia Civil Rafael Faria, há cinco meses um denunciante anônimo relatou que a garota vinha sofrendo abusos sexuais do pai há muito tempo. Desde então, a corporação começou uma investigação para esclarecer a acusação.

No início, de acordo com os investigadores, a menina negou o ocorrido. No entanto, após o acompanhamento do Conselho Tutelar, dos profissionais de psicologia e assistência social, a pré-adolescente teria reconsiderado a contestação e denunciado o pai. 

Segundo a garota, os abusos tiveram início quando ela tinha apenas sete anos. A vítima teria revelado, também, que o homem a fez acreditar que os atos sexuais seriam normais entre pai e filha.

A prisão foi efetuada na última quarta-feira e será cumprida de forma temporária. Ainda conforme a corporação, o acusado confessou ter abusado da filha por diversas vezes.
 

DENUNCIE 

Sabe de algum caso de abuso, mas prefere não se identificar? Em Minas Gerais, denúncias específicas de violência contra idosos, mulheres e pessoas com deficiência devem ser feitas pelo Disque Direitos Humanos (100), um serviço gratuito e sigiloso que funciona 24 horas por dia. Caso não consiga contato, o número 181 também pode ser acionado.

*Estagiário sob supervisão da subeditora Ellen Cristie

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade