Publicidade

Estado de Minas

Família procura por meninas desaparecidas na BR-040

Irmãs moram com a avó e se desentenderam com ela nessa quarta-feira (31); na manhã de quinta, saíram de casa dizendo que iriam para Santa Catarina e não foram vistas desde então


postado em 02/11/2018 21:30

(foto: Marjorie Souza, de 13 anos, e Geovanna da Silva, de 15, estavam vestidas com uniforme escolar: calça azul e camisa azul clara com detalhes em amarelo e vermelho)
(foto: Marjorie Souza, de 13 anos, e Geovanna da Silva, de 15, estavam vestidas com uniforme escolar: calça azul e camisa azul clara com detalhes em amarelo e vermelho)

 

As irmãs Marjorie Souza, de 13 anos, e Geovanna da Silva, de 15, estão desaparecidas desde a manhã dessa quinta-feira (1º), quando foram vistas na BR-040, nas proximidades da Ceasaminas, andando a pé. As meninas se desentenderam com a avó no dia anterior e sumiram depois de afirmar a amigos que iriam para Santa Catarina, no Sul do país. Elas vestiam um uniforme estudantil no momento do desaparecimento – calça azul, camisa azul clara com detalhes em amarelo e vermelho e mochilas. Também carregavam R$ 5, biscoitos e itens pessoais, como roupas e materiais escolares.


Conforme a mãe das jovens, Joyce Souza, um conflito familiar causou o desentendimento com a avó, mas tudo havia sido resolvido ainda na quarta-feira. Na manhã de quinta, a responsável pelas garotas as levava à Escola Municipal Albertina Alves do Nascimento, no Bairro Oitis, em Contagem. Contudo, no caminho, as meninas pediram para desembarcar na casa de um amigo, João Victor Martins, 16.


Segundo os relatos do amigo à PM, as irmãs tentaram convencê-lo a acompanhá-las até Santa Catarina, onde Geovanna teria um namorado conhecido via internet. Contudo, ele rejeitou o convite e tentou fazer a cabeça das meninas contra a fuga.


Porém, elas não deram ouvidos ao colega e saíram andando em direção à BR-040. Conforme a mãe de Geovanna e Marjorie, buscas foram feitas no trecho, mas as garotas não foram encontradas.


Os familiares e colegas tentaram fazer contato telefônico com as jovens, mas os celulares estão desligados.



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade