Publicidade

Estado de Minas

BH tem ventos de mais de 64 km/h; regiões tiveram 50% da chuva esperada para o mês

O resultado do grande volume de água e a ventania foram as ocorrências. Quedas de árvores, alagamentos, deslizamento de terra, e semáforos desligados, foram registrados.


postado em 18/10/2018 14:14 / atualizado em 18/10/2018 14:51

Ventania provocou quedas de árvores em diferentes partes da cidade(foto: Walter Freitas)
Ventania provocou quedas de árvores em diferentes partes da cidade (foto: Walter Freitas)

No intervalo de apenas 50 minutos, regiões de Belo Horizonte tiveram aproximadamente 50% do acumulado de chuva esperado para todo mês. A média histórica em outubro é de 104,7 milímetros (mm). Somente de 11h30 e 12h20, choveu 49 mm na Região Centro-Sul, e 51 mm, na Região Oeste. Os ventos atingiram velocidade de 64 quilômetros por hora em alguns pontos da cidade. O resultado do grande volume de água, foram as ocorrências. Quedas de árvores, alagamentos, deslizamento de terra, e semáforos desligados, foram registrados.

Ver galeria . 17 Fotos Alagamento na Avenida Getúlio Vargas, no Bairro Funcionários, Região Centro-Sul de Belo HorizonteLeandro Couri/EM/DA Press
Alagamento na Avenida Getúlio Vargas, no Bairro Funcionários, Região Centro-Sul de Belo Horizonte (foto: Leandro Couri/EM/DA Press )

 

O temporal já tinha sido previsto pelos especialistas e até alertas foram emitidos. De acordo com o meteorologista Cleber Souza, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a chuva forte com rajadas de vento e descargas elétricas são comuns nesta época do ano. “Estava previso está situação desde manhã. É muito típico da estação. São áreas de instabilidade, associadas com o calor e alta umidade”, afirmou o especialista.

Grande parte das ocorrências registradas nesta quinta-feira foram devidos aos ventos fortes. Segundo Cleber Souza, na estação Cercadinho, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, as rajadas chegaram a até 64 km/h. Na estação Pampulha, os ventos ficaram em 59,7 km/h.

As quedas de árvores são alguma das consequências dos ventos fortes. Somente a Defesa Civil registrou cinco ocorrências deste tipo. Na Rua Rio de Jan eiro, no Centro, na Rua José Gonçalves, no Bairro Santa Margarida, na Região do Barreiro, nas ruas Alabastro, no Bairro Horto, e Esmaltina, no Bairro Santa Tereza, Região Leste, e na Rua Pitangui, no Bairro Concórdia, na Região Nordeste.

Em uma das ocorrências mais graves, uma pessoa precisou ser retirada de dentro de um carro atingido por um tronco na Avenida do Contorno, altura do número 2.055 no Bairro Santa Tereza, Região Leste de Belo Horizonte. Somente na Avenida Barbacena, quatro árvores caíram perto do cruzamento com a Rua Alvarenga Peixoto. Uma delas atingiu um caminhão.

Grande volume de chuva


A força da chuva que atingiu Belo Horizonte pode ser medido pelo volume de água. De acordo com a Defesa Civil, as regiões Centro-Sul e Oeste foram as mais atingidas. De 11h30 até 12h20, elas tiveram 49 mm e 51 mm, respectivamente. Em seguida vem a Pampulha, com 36 mm, Venda Nova, com 33,2 mm, Noroeste, com 30,6 mm, Leste, com 23,2 mm, Barreiro, 9,8 mm, e Nordeste, com 6,8 mm. Não foi repassado dados sobre a região Norte.

O acumulado em todo o mês já superou a média histórica, que é de 104,7 mm, em duas regiões. Justamente na Centro-Sul, que está com 141,2 mm, e na Oeste, que chegou a 122 mm.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade