Publicidade

Estado de Minas

Polícia identifica restos mortais de mulher desaparecida na rodoviária de BH

Marta Soares da Fonseca foi morta asfixiada por suspeito que a abordou no terminal rodoviário; homem também colocou fogo na vítima


postado em 11/10/2018 18:20 / atualizado em 11/10/2018 20:17

Marta foi vista pela última vez em 17 de setembro, ao lado de Alexandre(foto: Divulgação/Polícia Civil)
Marta foi vista pela última vez em 17 de setembro, ao lado de Alexandre (foto: Divulgação/Polícia Civil)
A Polícia Civil de Minas Gerais identificou os restos mortais de Marta Soares da Fonseca, de 41 anos, na cidade de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, nessa quarta-feira (10).  Alexandre da Rocha, de 45, confessou o crime e relatou à polícia que ofereceu um emprego à vítima, que estava desempregada, para atraí-la até o local do fato. Ele foi preso nessa terça (9).

Segundo a Polícia Civil, Alexandre a levou de ônibus até um local ermo, uma mata próxima à CeasaMinas. Ele teria prometido um emprego em um sítio, que na realidade não existe, conforme as investigações.

No matagal, a cerca de 600 metros de uma rua, Marta suspeitou da situação e teria começado a gritar por socorro, de acordo com os relatos do homem detido à corporação. Alexandre disse que se assustou com a reação da vítima e a asfixiou até a morte.

Cerca de três dias depois do crime, o suspeito retornou ao local, segundo a polícia. O objetivo era ocultar o cadáver. Para isso, ele jogou algumas madeiras por cima do corpo e ateou fogo usando gasolina, ainda conforme a instituição de segurança pública. 

Alexandre contou aos investigadores que tinha a intenção de enterrar Marta, mas o mau cheiro do corpo fez com que ele optasse pelo fogo. Após apagar as chamas, o suspeito colocou os restos mortais em sacolas que, posteriormente, foram coladas em uma caixa.

Conforme a polícia, ele carregou a caixa por mais cinco ou seis quilômetros rumo ao interior da mata, onde o corpo foi depositado. A polícia não soube precisar as motivações que levaram o suspeito a cometer o crime. Contudo, confirmou que ele tem passagens pela polícia, sem especificar quais crimes foram cometidos.

Alexandre foi autuado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. A pena pode alcançar mais de 30 anos em regime fechado.

Marta deixou três filhos, de 17, 18 e 22 anos. Ela vinha de Espírito Santo quando foi abordada pelo suspeito na rodoviária e morava em São Joaquim de Bicas, na Região Central do estado.  Ela estava desaparecida desde 17 de setembro.

Imagens

A suspeita sobre o homem apareceu depois da análise das câmeras de segurança da rodoviária de Belo Horizonte. No vídeo, divulgado nessa segunda-feira (8) pela Polícia Civil, Marta desembarca de um ônibus no terminal rodoviário.

Assim que desce do veículo, ela é abordada por um homem. Os dois conversam por um tempo, e a mulher se afasta. Em seguida, ele volta a se aproximar dela e os dois saem andando juntos. 

Em uma outra imagem, é possível ver Marta e o homem sentados em um banco da rodoviária conversando. Depois, eles aparecem caminhando juntos. Os dois andam de forma apressada e deixam o terminal. 

A atitude do homem levantou a suspeita da Polícia Civil. Antes de se encontrar com Marta, ele aborda diversas pessoas na rodoviária. Com um papel nas mãos, ele parece pedir algo para os passageiros, que tudo leva a crer, depois das investigações, que seria uma proposta de emprego.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade