Publicidade

Estado de Minas

Minas Gerais tem mais de 24 mil casos prováveis de dengue em 2018

No total, são 24.329 diagnósticos confirmados e sob suspeita; até esta segunda-feira (8), são oito mortes no ano


postado em 08/10/2018 19:33 / atualizado em 08/10/2018 20:26

No ano passado, foram 19 vidas perdidas pela doença no estado e 25.933 casos prováveis, contra oito óbitos e 24.329 casos prováveis em 2018(foto: Reprodução/Public Health Image Library)
No ano passado, foram 19 vidas perdidas pela doença no estado e 25.933 casos prováveis, contra oito óbitos e 24.329 casos prováveis em 2018 (foto: Reprodução/Public Health Image Library)
Em novo boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG) nesta segunda-feira (8), o número de mortes decorrente da dengue não se alterou e se manteve em oito óbitos. Até a presente data, há 24.329 casos prováveis no estado, entre diagnósticos confirmados e ainda em investigação. O dado representa um crescimento de 477 casos desde o último levantamento, feito em 21 de setembro.


Segundo a SES/MG, uma cidade está em incidência alta de casos no momento: trata-se de Mamonas, na Região Norte da cidade. São 23 casos para 6.624 habitantes, uma convergência de 347,22 por 100 mil habitantes. No estado, são 142 municípios com baixa incidência e 710 cidades sem registro de casos prováveis.


As oito mortes de 2018, até o momento, aconteceram nos seguintes municípios: Araújos (Centro-Oeste), Arcos (Centro-Oeste), Conceição do Pará (Centro-Oeste), Contagem (Metropolitana), Ituiutaba (Triângulo), Lagoa da Prata (Centro-Oeste), Moema (Centro-Oeste) e Uberaba (Triângulo). Outros 10 óbitos ainda estão sob análise.

No ano passado, foram 19 vidas perdidas pela doença no estado e 25.933 casos prováveis.


Zika e chikungunya


Também causada pelo mosquito Aedes aegypti, a febre chikungunya tem 11.582 casos prováveis no estado, com 15 óbitos. As mortes se concentram em Governador Valadares (Vale do Rio Doce), onde 12 vidas foram perdidas.

As outras três fatalidades aconteceram em
Central de Minas (Vale do Rio Doce), Ipatinga (Vale do Rio Doce) e Teófilo Otoni (Vale do Jequitinhonha). Segundo o levantamento desta segunda, há 32 municípios em baixa incidência e 821 sem qualquer registro. No ano passado, foram 16.320 casos prováveis da doença.


Quanto ao zika vírus, são 163 casos prováveis no ano, o que representa apenas 22,7% do total de 2017 e 1,2% em relação ao ano anterior

Casos prováveis de zika em gestantes foram registrados em 23 municípios, destacando-se: Ipatinga (oito gestantes), Coronel Fabriciano (sete gestantes), Belo Horizonte, Janaúba e Uberlândia (quatro gestantes cada).

 

Todos os dados apresentados nesta matéria se baseiam nos boletins epidemiológico de monitoramento nº 110 e 109, da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG). 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade