Publicidade

Estado de Minas

PF desarticula quadrilha que fraudava benefício do abono salarial

Golpistas enviavam informações falsas de empresas e conseguiam gerar cerca de 28 mil vínculos de emprego que não existiam. Esses vínculos eram usados para saque fraudulento de um salário mínimo para cada registro


postado em 01/10/2018 09:27 / atualizado em 01/10/2018 10:06

Vários materiais e documentos foram apreendidos durante cumprimento dos mandados de busca e apreensão(foto: PF/Divulgação)
Vários materiais e documentos foram apreendidos durante cumprimento dos mandados de busca e apreensão (foto: PF/Divulgação)

A Polícia Federal (PF) em Minas Gerais descobriu um esquema de fraudes no Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) por meio de saques criminosos do benefício do abono salarial e lançou na manhã desta segunda-feira uma operação para desarticular um grupo de golpistas. Estão sendo cumpridos 44 mandados judiciais nas cidades de Grão Mogol e Itacarambi (Norte de Minas), Corinto (Região Central), além de Contagem, Ribeirão das Neves, Santa Luzia, Esmeraldas, Juatuba e Brumadinho (na Grande BH) e Belo Horizonte.

Dos 44 mandados, 11 são de prisão e 33 de busca e outros assuntos, como bloqueio e indisponibilidade de bens. O prejuízo dado pela quadrilha aos cofres públicos chega a R$ 27 milhões, segundo a PF. De acordo com a corporação, o abono salaial é um benefício destinado aos trabalhadores que estão incritos no Programa de Integração Social (PIS) há mais de cinco anos e trabalharam com carteira assinada em alguma empresa no ano anterior com renda média de até dois salários mínimos por mês.
Documentos permitiam aos golpistas o saque do abono salarial(foto: PF/Divulgação)
Documentos permitiam aos golpistas o saque do abono salarial (foto: PF/Divulgação)


Ainda segundo a PF, os fraudadores do abono conseguiram criar cerca de 28 mil vínculos empregatícios declarados de forma criminosa em nove anos por meio de dados de mais de 100 empresas usados indevidamente. A estimativa da PF é que 70% dos nomes de trabalhadores falsos usados para receber o benefício são de pessoas que já morreram. A PF informou ainda que a quadrilha usava um sistema "engenhoso" de fraudes para conseguir emitir o cartão cidadão em nome dos falecidos e assim conseguia sacar o abono nos caixas eletrônicos da Caixa Econômica Federal (CEF).

Mais informações serão divulgadas em entrevista coletiva na manhã de hoje.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade