Publicidade

Estado de Minas

Polícia abre inquérito para investigar homicídio em bairro nobre de Poços de Caldas

O homem foi encontrado morto na manhã de segunda-feira. Testemunha revelou à polícia que a vítima vinha sofrendo ameaças


postado em 25/09/2018 21:20 / atualizado em 25/09/2018 22:39

A Polícia Civil abriu inquérito para investigar as causas da morte de um homem no Bairro Jardim Europa, na cidade de Poços de Caldas, no Sul de Minas. Anderson Ricardo Franco, de 38 anos foi encontrado morto em sua casa na manhã de segunda-feira.

Segundo o boletim de ocorrência da Polícia Militar (PM), um funcionário da vítima chegou ao local por volta das 8h para transportar um quadro, que seria restaurado em um shopping da cidade. Porém, ao perceber que o portão estava aberto, o homem teria ficado com receio de entrar e fechou a porta. Logo em seguida, ele acionou a PM.

No lugar, os militares fizeram varredura e não encontraram sinais de arrombamento. Ainda conforme a corporação, a testemunha, que possuía a chave do imóvel, abriu a porta da cozinha com a chegada da polícia.

Já dentro da casa, os policiais encontraram Anderson Ricardo caído na sala, próximo a escada que dava acesso ao segundo andar do imóvel. Em volta dele havia sangue espalhado pelo chão. Após os trabalhos de perícia, foi constatado que a vítima apresentava sete cortes profundos na cabeça, que seriam sinais de agressão, e uma buraco no lado esquerdo do peito, proveniente de um tiro de arma de fogo.

De acordo com a testemunha, que conhecia os móveis da casa, os bandidos ainda levaram alguns objetos, sendo vários relógios, joias, equipamentos eletrônicos e imagens das câmeras espalhadas pelo imóvel.

Ainda segundo o funcionário de Anderson, há cerca de dois meses, em Campestre, também no Sul de Minas, familiares da vítima teriam tido a casa assaltada. Na ocasião, os ladrões teriam deixado uma carta ameaçando Anderson.

A testemunha afirmou que no domingo, um dia antes do crime, ele conversou com a vítima. Por fim, a última vez que Anderson teria acessado o WhatsApp foi por volta das 2h30 da segunda-feira.

*Estagiário sob supervisão da subeditora Regina Werneck

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade