Publicidade

Estado de Minas

Praça da Liberdade será entregue com mais árvores do que antes, diz Iepha

Com mais de metade das obras concluídas, Praça da Liberdade passa por várias alterações. Cartão-postal deve ser aberto ao público até o fim de novembro


postado em 24/09/2018 06:00 / atualizado em 24/09/2018 07:42

A revitalização da praça prevê a incorporação de pelo menos 20 novas árvores, entre palmeiras, ipês, ciprestes, tipuanas e magnólias(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
A revitalização da praça prevê a incorporação de pelo menos 20 novas árvores, entre palmeiras, ipês, ciprestes, tipuanas e magnólias (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
 

Mais de 50% das obras já concluídas. Essa é a atual fase da restauração da Praça da Liberdade, um dos principais cartões-postais de Belo Horizonte, que deve ser entregue até o fim de novembro. Em entrevista exclusiva ao Estado de Minas, a presidente do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG), Michele Arroyo, detalhou quais serão as mudanças na jardinagem e nas estruturas do complexo e apresentou alterações na acessibilidade das ruas do perímetro, com foco nas pessoas com necessidade especiais. A proibição de eventos de grande porte também foi pontuada. “O projeto é de requalificação da praça, ou seja, consertar tudo o que estava estragado. Todas as demandas levantadas foram identificadas por meio de um diagnóstico e pelos usuários da praça, que apresentaram as principais questões: segurança, iluminação pública e o calçamento.” O cronograma é tocado pelo governo estadual, a partir do Iepha, Prefeitura de Belo Horizonte e a mineradora Vale, com investimento de R$ 5,2 milhões.


Para dar vida aos jardins da praça, o Iepha realizou um estudo fitossanitário das vegetações, para garantir a saúde dos espécimes. A partir desse estudo, pôde-se reequilibrar as plantações. Além disso, foram removidas cerca de 30 árvores, que estavam consumidas por pragas e cupins. “Todas as que estavam com alguma ameaça foram retiradas. Porém, novas árvores serão germinadas”, afirma Michele Arroyo. Algumas também foram retiradas porque prejudicavam a estrutura da praça ou fugiam do aspecto arquitetônico.

Apesar disso, o complexo será entregue com mais árvores do que antes das obras. Palmeiras, ipês, ciprestes, tipuanas e magnólias estão entre as novidades. “Teremos a incorporação de mais ou menos 20 novas árvores na praça. Hoje, a sensação é de que a falta vegetação por causa da supressão e porque ainda não houve o replantio. Também há muitas árvores que não estão floridas por causa da época do ano, caso dos ipês. Mas isso tudo vai melhorar depois da conclusão.” Ainda assim, a previsão é que a exuberância total da Praça da Liberdade só chegue seis meses depois do plantio, de acordo com ela.

Também haverá um controle do que será plantado depois da conclusão, por meio de um plano de manejo. “Agora, na hora em que vier podar o ipê, vai fazer o trabalho para que a vegetação floresça de maneira adequada e mantenha sua estrutura”, diz.

 

EVENTOS Durante o carnaval, é comum ver blocos de carnaval passando pela Praça da Liberdade. O mesmo vale para shows e demais programações culturais, que instalam até mesmo palcos e tendas. Entretanto, a partir da reabertura do espaço, essas iniciativas serão proibidas. “O Iepha proibiu eventos de grande e médio portes. Esses últimos vão para as alamedas laterais e os de maior público vão para outros locais”, ressalta Michele Arroyo.

Para atender os turistas e belo-horizontinos com necessidades especiais, o Iepha realiza diversas mudanças na acessibilidade da Praça da Liberdade. Entre elas está a mudança das faixas de pedestre, que passam a seguir uma linha reta, e acabar com os obstáculos, como postes, no caminho. O órgão também fez um estudo para criar uma sinalização especial para as travessias e entradas do cartão-postal. Além disso, várias maquetes táteis serão instaladas, para que o deficiente visual tenha uma experiência mais agradável. 


A iluminação da praça será alterada para garantir a segurança do visitante. Os novos equipamentos vão valorizar a arquitetura e a infraestrutura do local e acabar com a escuridão que marcou o lugar nos últimos anos. Serão instaladas lâmpadas de LED em 60 postes de luz: 33 de estilo republicano, que ficavam às margens, serão reposicionados na parte interna, além dos outros 27 já existentes na parte interna. O entorno da praça e as ruas ao redor do ponto turístico receberão postes decorativos em aço galvanizado na cor cinza-chumbo.

Flores já começaram a ser plantadas no início da primavera para que a praça volte à sua exuberância(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Flores já começaram a ser plantadas no início da primavera para que a praça volte à sua exuberância (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)


CORETO
Para criar uma integração entre todo o Complexo da Liberdade, o Iepha vai estender a via de calçamento da praça até o Palácio da Liberdade, antiga sede do governo estadual.

Na parte interna, o coreto será  restaurado, voltando aos tijolinhos que remetem ao século 19. Haverá a retomada da cor original, danificada por pichação e rabiscos. O piso e as ferragens serão as mesmas, porém reformados. A ninfa, escultura conhecida do complexo, ganhará um novo braço, e a fonte também destruída por vândalos, será refeita.

O mobiliário (bancos) também ganhará nova configuração, com peças conjuntas e individuais. Todos os outros monumentos passarão por obras e ganharão placas explicativas. Essas informações já existiam, mas foram roubadas desde a última obra na Praça da Liberdade, concluída na década de 1990.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade