Publicidade

Estado de Minas

Centenas de pessoas se reúnem em ato para recuperar a Serra da Calçada

Grupo planta a vegetação de origem para que o local se torne um corredor ecológico. A metodologia inédita e artesanal foi desenvolvida pela professora da UFMG


postado em 01/09/2018 14:35 / atualizado em 01/09/2018 14:56

Grupo planta a vegetação de origem para que o local se torne um corredor ecológico(foto: Associação Arca Ama Serra/ divulgação)
Grupo planta a vegetação de origem para que o local se torne um corredor ecológico (foto: Associação Arca Ama Serra/ divulgação)
Ciclistas e ambientalistas se reuniram, na manhã deste sábado, para participar do Projeto de Recuperação de Nascentes, com o intuito de ajudar a melhorar a qualidade da água da capital mineira e região metropolitana. O grupo, com aproximadamente 200 pessoas, se reuniu na Serra da Calçada, ao lado da portaria do condomínio Retiro das Pedras, em Brumadinho, na Grande BH. 

"Hoje foi a inauguração da primeira etapa de recuperação dos campos rupestres e das trilhas da Serra da Calçada e compareceram por volta de 200 pessoas. Cerca de 3,8 mil hectares da serra são tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha). Fizemos um piquenique e a revegetação do local de maneira bastante artesanal", Simone Bottrel, da associação Arca Ama Serra. 

O grupo planta a vegetação de origem para que o local se torne um corredor ecológico. A missão é levar a água da nascente recuperada para o distrito de Casa Branca, onde a população é atingida por secas. "A gente tem feito esse trabalho para ajudar um pouquinho. É um dos passos que temos dado para melhorar a qualidade de água da região metropolitana de Belo Horizonte", completou a especialista.

Simone ainda aponta que esse processo artesanal é bastante caro, o que causa desinteresse da iniciativa privada. "Na Mina Corumi, na Serra do Curral, tudo indica que a Empabra vai cancelar o contrato de recuperação para cortar custos," concluiu.

A metodologia inédita e artesanal foi desenvolvida pela professora Maria Rita Scotti Muzzi, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade