Publicidade

Estado de Minas

Mineiro morre baleado dentro de pizzaria nos Estados Unidos

Crime ocorreu na terça-feira no estado de Nova Jersey. Português que namorou uma inquilina da vítima foi preso pelo assassinato e pode pegar prisão perpétua


postado em 23/08/2018 10:54 / atualizado em 23/08/2018 11:11

Marco Antônio Rosa Moreira morava nos EUA há 18 anos e deixou três filhos(foto: Reprodução da internet/Facebook)
Marco Antônio Rosa Moreira morava nos EUA há 18 anos e deixou três filhos (foto: Reprodução da internet/Facebook)

Um mineiro de Patos de Minas, no Alto Paranaíba, foi assassinado a tiros em uma pizzaria brasileira em Long Branch, no estado de Nova Jersey, nos Estados Unidos. Um português de 40 anos foi preso acusado do crime e, segundo a Justiça local, pode pegar pena mínima de 30 anos de prisão ou máxima de prisão perpétua. 

A vítima é Marco Antônio Rosa Moreira, de 45 anos. Ele morava nos Estados Unidos há 18 e tinha uma pequena empresa no ramo de lixamento de pisos. Um parente de Marco Antônio, que pediu para não ser identificado, deu detalhes do caso ao em.com.br nesta quinta-feira. 

Segundo ele, há cerca de dois meses o brasileiro alugou quartos para um grupo de brasileiros, entre eles uma mulher que estava com os filhos. Pouco mais de um mês antes disso, eles residiam na casa do português Miguel Leal Câmara, com quem a brasileira teve um relacionamento e terminou, mas o homem começou a persegui-la. 

O parente contou que Marco Antônio acompanhava os brasileiros pela cidade, que tem uma grande comunidade mineira, e foi visto por Miguel junto à mulher. “Foi para ajudar ela. Começou a levá-la nos lugares porque eles são novos na cidade. Foi mostrar onde tinha hospital, escola, essas coisas. E esse português começou a ver isso, que eles estavam andando juntos, e criou um ciúme louco”, contou. 

A brasileira denunciou Miguel à polícia e conseguiu uma ordem de restrição junto à Corte judicial local para que ele se mantivesse afastado dela. No dia da audiência, Marco Antônio acompanhou a inquilina. “Foi um dos maiores erros deles. O português viu que ele estava acompanhando-a e jogou na cabeça que eles estavam juntos”, disse o familiar. 

Segundo ele, Miguel começou a mandar mensagens para as pessoas querendo saber onde o brasileiro morava. Marco Antônio chegou a falar com o familiar que não estava namorando a mulher, contou sobre as perseguições e o que estava acontecendo. 

O parente da vítima disse ao em.com.br que na sexta-feira passada, Marco Antônio, a mulher e os familiares que moram na casa estavam na mesma pizzaria onde o crime ocorreu quando Miguel chegou. A mulher foi até ele ameaçando chamar a polícia caso entrasse, lembrando da ordem de restrição. Nisso, Marco Antônio teria saído para tirar satisfações com o português. 

O crime ocorreu na terça-feira, por volta das 15h. Mais uma vez, a vítima estava acompanhada da inquilina e outras pessoas da família quando Miguel chegou. “Ele simplesmente entrou na pizzaria com o papel lá da Corte que o juiz tinha dado para ele, que tinha que manter distância dela, jogou o papel na cara dela e falou 'Aqui está seu papel da Corte', e virou para ele e falou 'Você vai morrer agora'”, contou o parente de Marco Antônio. 

Segundo a nota publicada no site do Ministério Público do Condado de Monmouth, onde fica a cidade, “As investigações revelaram que Câmara entrou no restaurante e se aproximou da mesa onde a vítima estava sentada com a ex-namorada dele e alguns membros da família dela, violando uma ordem de restrição existente. Câmara atirou em Moreira, acertando-o na cabeça. Em seguida houve uma luta entre Câmara, outras pessoas que estavam com o Moreira e outro cliente do restaurante. Durante essa luta, Câmara tentou matar a ex-namorada, mas não teve sucesso e ela não se feriu. A ex-namorada de Câmara e outros tentaram segurá-lo até que a Polícia de Long Branch chegou ao local. Moreira foi, posteriormente, declarado morto às 15h38”. 



Miguel Leal Câmara foi acusado pelo Ministério Público nessa quarta-feira. Segundo a página Comunidade Brasileira em Long Branch, no Facebook, na tarde passada estava previsto o comparecimento dele ao Tribunal Superior para a primeira audiência. Além da pena pelo assassinato de Marco Antônio, ele pode pegar 20 anos pela tentativa de homicídio contra a mulher, sem condicional, além de outros delitos pelos quais foi acusado em relação ao caso de terça-feira. 

O brasileiro deixou três filhos de outros relacionamentos, sendo que dois moram no Brasil e a terceira, mais nova, nasceu nos Estados Unidos. O parente de Marco Antônio disse à reportagem que, por decisão da família, ele será sepultado onde residia atualmente. A cerimônia fúnebre deve ser realizada no próximo sábado, 1º de setembro. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade