Publicidade

Estado de Minas

Usiminas garante transparência para apurar causas de explosão em coletiva

Presidente da companhia também informou que vai promover uma reunião com todos os diretores e gerentes da indústria para avaliar os impactos acidente na manhã deste sábado


postado em 10/08/2018 22:19 / atualizado em 10/08/2018 22:29

No início da noite desta sexta-feira, o presidente da Usiminas, Sérgio Leite, concedeu uma entrevista coletiva, juntamente à diretoria da empresa, em sua sede, em Ipatinga, no Vale do Aço, para prestar esclarecimentos sobre a explosão de um gasômetro da indústria.  Ele garantiu que a companhia será transparente na apuração e na divulgação das causas do acidente. O executivo ainda confirmou as informações divulgadas pelos bombeiros: 34 pessoas atingidas, entre empregados da Usiminas e terceirizados, sendo que nenhuma delas em estado grave, sem registro de óbito.   

O executivo também anunciou que a empresa vai iniciar, de imediato, uma análise técnica para saber quais foram as causas do acidente, o que “poderá demorar alguns dias”. Sérgio Leite disse ainda que os 34 feridos foram  atendidos no Hospital Márcio Cunha, em Ipatinga. 

O hospital montou um plano de ação para prestar assistência imediata às vítimas do acidente. Na noite desta sexta-feira, a maioria delas já tinha recebido alta, retornando ao convívio de suas famílias.  A explosão ocorreu em um dos quatro gasômetros da usina siderúrgica. 

O presidente da Usiminas tranquilizou a população e informou que não há nenhum risco para a cidade de Ipatinga por conta de vazamento de gás ou algum outro dano. “Houve um impacto muito forte junto às pessoas, mas não existe nenhum risco para a cidade de Ipatinga. Foi um acidente grave, que preocupou a todos. Mas não há qualquer tipo de risco, como não chegou a existir risco para a cidade em nenhum momento”, assegurou Leite, lembrando que foi feito monitoramento técnico da qualidade do ar, com a participação de equipe profissional da Usiminas e da Defesa Civil. 

Ver galeria . 9 Fotos Reprodução / redes sociais
(foto: Reprodução / redes sociais )


Ele informou que o acidente ocorreu exatamente às 12h42 e que, imediatamente após a explosão do gasômetro, a empresa paralisou todas as suas atividades em Ipatinga. A direção também começou, tão logo, a evacuar a área interna da indústria.  

Duas horas depois, foi iniciada a volta de pessoal ao interior da usina siderúrgica, após a constatação de que não existiam riscos para as pessoas.  Sérgio Leite disse que duas horas depois do acidente, a indústria retornou as suas atividades na área de despacho (expedição) de produtos. 

A indústria programou a volta do funcionamento de suas áreas de laminação a frio e galvanização eletrolítica até a meia noite desta sexta-feira. O presidente da Usiminas afirmou querer retomar as atividades plenas da usina siderúrgica o mais rápido possível, mas sem fixar prazo. 

Leite ainda informou que na manhã deste sábado vai promover uma reunião com todos os diretores e gerentes da indústria para avaliar os impactos acidente e também vai começar análise técnica para levantar quais foram as causas da explosão. “Pois, por enquanto, não temos condições de fazer nenhum posicionamento técnico com relação à ocorrência do acidente”, disse.

O presidente da Usiminas também falou que recebeu apoio do Ministério Publico de Minas Gerais (MPMG), da Polícia Militar (PM),  Polícia Civil (PC), do governador do estado e dos CEOs  de outras empresas.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade