Publicidade

Estado de Minas

Mulheres saem às ruas de BH para condenar violência e lutar por direitos

Caminhada "Luta pela vida das mulheres", organizada pela Rede de Enfrentamento a Violência Contra a Mulher de Minas Gerais, relembra 433 mulheres mortas somente em 2017 no estado


postado em 07/08/2018 18:32 / atualizado em 07/08/2018 19:28

Ver galeria . 5 Fotos Caminhada
Caminhada "Luta pela vida das mulheres" lembra das 433 mulheres mortas somente em 2017 (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press )
Dezenas de mulheres se mobilizam, na noite desta terça-feira, pelo fim dos casos de violência contra a mulher. Elas saíram da Delegacia Especializada de Crimes Contra a Mulher, na Avenida Augusto de Lima, 1942, no Bairro Barro Preto, Região Centro Sul em BH, e seguiram em direção ao Fórum Lafayette, na mesma região. Trata-se da caminhada "Luta pela vida das mulheres", organizada pela Rede de Enfrentamento a Violência Contra a Mulher de Minas Gerais. 

As participantes usam trajes preto, velas, um caixão e velas como forma de protesto."Tem dois meses que estamos organizando o ato. Convidamos escolas, movimentos sociais para participarem do trajeto. Nós conquistamos, mas temos muito para a lutar”, pontuou Terezinha Lúcia Avelar, coordenadora estadual da Rede de Enfrentamento a Violência Contra a Mulher de Minas Gerais.

Criada há 12 anos, a Rede diz respeito à atuação articulada entre instituições e serviços oficiais, não oficiais e a comunidade. O evento é motivado por mais uma tragédia acontecida no mês passado, quando nem mesmo uma medida protetiva contra o ex-companheiro foi suficiente para evitar mais uma morte. Neste caso, uma mulher de 36 anos foi assassinada a facadas no Bairro Betânia, na Região Oeste de Belo Horizonte. A vítima foi morta pelo por um homem de 37, dentro do escritório de advocacia onde trabalhava.

Na edição impressa desta terça-feira, o Estado de Minas lembrou o aniversário de 12 da Lei Maria da Penha. No material, o jornal ressaltou que, apesar dos avanços na legislação, os números não param de crescer. Nos 12 meses de 2017, foram 4.157 casos, ou média diária de 11,3. Taxa que também havia crescido em relação ao ano anterior, quando foram 3.736 casos (10,2 por dia). Em 2018, de janeiro a junho, a média de prisões em flagrante por esse motivo chegou a 4,5 a cada 24 horas, contra 3,8 no ano anterior.

O crime de feminicídio é o homicídio contra a mulher motivado por menosprezo ou discriminação, ou por razões de violência doméstica. A lei foi sancionada em 2015 e transformou esse tipo de assassinato em crime hediondo.

Somente no primeiro semestre de 2018 foram abertos 2.360 procedimentos investigatórios por esse tipo de violência em Minas, o que representa média de 13 por dia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade