Publicidade

Estado de Minas

Operação da Polícia Civil prende 12 suspeitos de integrar quadrilha em BH

Criminosos teriam envolvimento com tráfico, roubo e homicídios. Dois deles foram presos em flagrante


postado em 01/08/2018 11:55 / atualizado em 01/08/2018 12:18

Uma operação da Polícia Civil desencadeada nesta quarta-feira terminou com 12 pessoas presas em Belo Horizonte. Eles são suspeitos de integrar uma quadrilha de tráfico de drogas envolvida com roubos de carros e homicídios.

Segundo a corporação, 10 foram detidos por meio de mandados de prisão e outros dois em flagrante. As ações foram realizadas nos bairros Nova Cachoeirinha, Santa Cruz, Caiçara, Mantiqueira, Santa Inês e na cidade de Esmeraldas, na Grande BH.

A polícia ainda informou que as investigações começaram após a morte do empresário Adriano Costa Vale, de 37 anos,  que estava dentro de um carro blindado foi executado a tiros de fuzil em fevereiro deste ano, Bairro Santa Cruz, Região Nordeste.

De acordo com a Polícia Militar, a vítima estava em um Chevrolet Captiva de cor preta na Rua São Leopoldo e foi baleada por quatro passageiros a bordo de um Ford EcoSport branco, que fugiram em seguida. Adriano era prestador de serviços e fazia entregas com um caminhão. Munições de fuzil calibre .762 foram encontradas ao redor da Captiva.

A quadrilha também tem relação com o assassinato do advogado Jayme Eulálio de Oliveira, morto em 2013 com mais de 30 tiros na porta de casa, no Bairro Castelo, Região da Pampulha, em Belo Horizonte. Segundo fontes da corporação, as investigações mostraram que Jayme foi assassinado por cobrar R$ 100 mil de um grupo de criminosos pela defesa de ladrões de um posto de gasolina.

Ainda segundo a corporação, foram apreendidas: munições de diversos calibres e substancias semelhantes à maconha, cocaína e crack. A polícia informou que o líder da quadrilha, Luiz Henrique Nascimento do Vale, conhecido como Totó, está foragido.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade