Publicidade

Estado de Minas

MPF recomenda que Netflix retire animação com drag queens do catálogo infantil

Justiça Federal quer que o desenho "Super Drags" seja movido para o catálogo geral da plataforma sob demanda, com base no que determina o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e os direitos do consumidor


postado em 26/07/2018 20:37 / atualizado em 26/07/2018 21:23

O Ministério Público Federal (MPF) em Minas Gerais recomendou à plataforma de produtos audiovisuais sob demanda Netflix que retire a animação "Super Drags" da classificação infantil. A programação tem estreia para o segundo semestre deste ano e apresenta três super-heroínas drag queens. Trata-se do primeiro desenho animado do canal de streaming originalmente produzido no Brasil. 

Em sua recomendação, o procurador da República Fernando de Almeida Martins entendeu que é necessária a intervenção do poder público para preservar os direitos das crianças, mais propensas a serem influenciadas. Segundo ele, a situação se agrava, principalmente, quando se trata do uso de uma linguagem do universo infantil, caso dos desenhos animados.

 

As super drags nem chegaram ao catálogo da Netflix e já causam polêmica(foto: Reprodução/YouTube)
As super drags nem chegaram ao catálogo da Netflix e já causam polêmica (foto: Reprodução/YouTube)
A indicação da Justiça ainda se ampara no Código de Defesa do Consumidor. Segundo o MPF, o texto considera prática abusiva aquela que se prevalece da fraqueza ou ignorância do consumidor, tendo em vista, entre outros fatores, a idade – como no caso em questão. 

Além disso, o MPF requisitou à Netflix que, após a veiculação dos cinco episódios programados, envie cópia para melhor análise de conteúdo. O órgão ainda deu o prazo de 30 dias para que o canal sob demanda cumpra a recomendação. 


A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) também opinou sobre a animação. Em nota, a organização afirmou que "vê (animação) com preocupação". A SBP ressaltou seu "compromisso com a liberdade de expressão", porém pediu o cancelamento da programação, "como expressão de compromisso do desenvolvimento de futuras gerações" por parte da Netflix.

Outro lado


A logo da animação produzida no Brasil(foto: Reprodução/Facebook)
A logo da animação produzida no Brasil (foto: Reprodução/Facebook)
Apesar da polêmica, em sua página no Facebook, o Combo Estúdio, responsável pela produção, ressalta que se trata de uma série com foco no público adulto. A mesma análise veio da Netflix, em posicionamento enviado ao portal G1, no qual provedora sob demanda disse que "'Super Drags' é uma série de animação para uma audiência adulta e não estará disponível na plataforma infantil”



A série tem produção de Anderson Mahanski, Fernando Mendonça e Paulo Lescaut, por meio do Combo Estúdio. A animação reúne as aventuras das drag queens Patrick, Donny e Ramon, que trabalham em uma loja de departamentos. No período noturno, as personagens se transformam nas heroínas Lemon Chiffon, Safira Cian e Scarlet Carmesim, que pretendem reunir a comunidade LGBT.

Em seu site oficial, o Combo Estúdio ostenta 16 produções, desde ilustrações até comerciais e outras animações. A organização tem como clientes marcas consagradas na produção audiovisual, como Universal e Disney. 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade