Publicidade

Estado de Minas

Por tráfico de drogas, Justiça condena quadrilha formada por 17 pessoas

Grupo atuava em Nova Serrana, no Centro-Oeste de Minas Gerais, e penas variam entre nove anos e quatro meses e 23 anos, nove meses e 25 dias de reclusão


postado em 25/07/2018 18:46 / atualizado em 25/07/2018 22:00

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) condenou uma quadrilha responsável por comandar o tráfico de drogas em Nova Serrana, no Centro-Oeste do estado. Somadas, as penas dos criminosos chegam a 220 anos de prisão em regime fechado. 

O tempo de cárcere de cada um dos criminosos varia entre nove anos e quatro meses e 23 anos, nove meses e 25 dias de reclusão. A maior pena foi aplicada contra o chefe da organização criminosa, Erasmo Eduardo de Almeida, conhecido como "Preto dos Gamas". Ele comandava a associação ilícita de 17 pessoas, que praticavam crimes em cooperação, e já tinha diversas passagens pela polícia. 

A condenação é fruto da Operação Macaco-Prego, desencadeada em agosto. Na ocasião, 150 policiais civis e militares participaram da força-tarefa e tiveram apoio do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). 

 

Erasmo Eduardo de Almeida, conhecido como
Erasmo Eduardo de Almeida, conhecido como "preto dos gamas", o chefe da organização criminosa e condenado a 23 anos e nove meses e 25 dias de reclusão (foto: Divulgação/Polícia Militar)
A operação expediu 41 mandados de busca e apreensão em Nova Serrana e Conceição do Pará, na mesma região. O nome foi inspirado no apelido de um dos suspeitos, que era chamado de "Babuíno" e foi morto durante as investigações preliminares.  

Foram apreendidos R$ 21 mil em dinheiro vivo, cheques no valor total de R$ 8 mil, cinco revólveres, munições, balança de precisão, celulares, joias e um notebook. Com exceção de duas mulheres condenadas em primeira instância, que responderam ao processo em liberdade por terem filhos menores, os outros 15 sentenciados já cumprem pena no sistema penitenciário.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade