Publicidade

Estado de Minas

Defensoria Pública abre inscrições para casamento comunitário LGBTI+ em BH

Inscrições vão até 3 de agosto e a cerimônia acontece no mês seguinte. Casamento será permitido para os casais em que qualquer um dos cônjuges seja LGBTI


postado em 10/07/2018 17:39

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

Foram abertas nesta terça-feira as inscrições para os interessados em se casar durante uma cerimônia comunitária em 21 de setembro, em Belo Horizonte. A iniciativa é promovida pela Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais (DPMG), que pretende unir casais LGBTI+ – sigla utilizada para representar lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, intersexuais e outras formas de identificação.

O casamento será permitido para os casais em que qualquer um dos cônjuges seja LGBTI. Todo o procedimento será gratuito para quem não possui condições financeiras de arcar com as taxas devidas aos cartórios. Os casais interessados devem se cadastrar até 3 de agosto, na sede da Defensoria Pública, que fica na Rua dos Guajajaras, número 1.707, no Barro Preto. O atendimento é de segunda a sexta-feira, de 12h às 17h.

O órgão alerta que os casais devem ser inscrever com a maior antecedência possível, para que seja realizada a habilitação para o casamento.Para o defensor público Vladimir de Souza Rodrigues, “o casamento é a base da sociedade, daí a importância de que as pessoas saibam que o público LGBTI forma uma família como outra qualquer”, afirmou em entrevista à DPMG.

A cerimônia será realizada no auditório da Cemig, no Bairro Santo Agostinho. O evento é para casais que morem na capital mineira. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (31) 3526-0312 ou no site da Defensoria Pública.

Estádio como palco da diversidade


No Dia Internacional do Orgulho LGBTI, comemorado em 28 de junho, o Mineirão foi palco de duas celebrações homoafetivas e uma transafetiva. A data foi escolhida pela representatividade e o estádio também, pelo fato de a LGBTfobia, infelizmente, ainda estar muito presente no futebol", falou o coordenador especial de Políticas de Diversidade Sexual da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac), Douglas Miranda.

Segundo os organizadores, 85% das pessoas que trabalharam para que o casamento saísse eram LGBTI , desde a recepção até a banda. Além dos administradores do estádio, a iniciativa teve o apoio da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (SEDPAC), órgãos como a Defensoria Pública e OAB Minas Gerais.

A violência contra pessoas LGBTI vem crescendo a cada ano no país, segundo levantamento, do Grupo Gay da Bahia (GGB), mais antiga associação de defesa dos homossexuais e transexuais do Brasil. Do ranking dos estados, Minas Gerais ocupa a quinta posição em número de mortes. A lista é liderada por São Paulo. (Com informações de Lucas Eduardo Soares* e Marcelo Ernesto)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade