Publicidade

Estado de Minas

Esperando público recorde, PM reforça segurança na Savassi e Mineirão para transmissão de Brasil e Bélgica

Retaguarda exigirá limite de acesso e reforço na segurança e limpeza. Confira também como será o funcionamento de bancos, comércio e repartições públicas na sexta


postado em 04/07/2018 06:00 / atualizado em 04/07/2018 07:37

Na Savassi, muita gente foi barrada e assistiu ao último jogo fora da área de exibição(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)
Na Savassi, muita gente foi barrada e assistiu ao último jogo fora da área de exibição (foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)

 

Quando a bola rolar para as quartas de final da Copa entre Brasil e Bélgica, às 15h de uma sexta-feira no horário de Brasília, enquanto a Seleção Brasileira joga seu futuro em Kazan, na Rússia, outro esquema estará em jogo nas ruas de Belo Horizonte: o aparato montado para administrar uma torcida que não para de crescer. Impulsionada pelo avanço do time de Tite, a multidão que se reúne em locais públicos de exibição – os mais tradicionais deles a Savassi e a esplanada do Mineirão – aumenta a cada jogo, com uma exigência de infraestrutura que já surpreendeu os organizadores em mais de uma oportunidade. Para evitar novos imprevistos, a Polícia Militar já anuncia reforço no efetivo nas ruas da capital e a prefeitura organiza um mutirão de limpeza e conscientização para a partida decisiva.

A preparação não é sem motivo. No jogo contra os mexicanos, às 11h de uma segunda-feira, o espaço com telão montado no quarteirão fechado da Rua Antônio de Albuquerque, na Savassi, teve acesso fechado antes mesmo de a bola rolar, já que a capacidade de 2 mil pessoas se esgotou rapidamente, assim como o acesso extra permitido para mais mil pessoas. Na sexta-feira, com a partida às 15h e milhares de trabalhadores liberados para começar o fim de semana mais cedo, a pressão tende a ser maior.

Por isso, mesmo sem revelar números, a Polícia Militar informou que cadetes e policiais em formação de sua academia vão reforçar a segurança pública nas ruas, assim como militares do setor administrativo. A região da Savassi e as áreas externas do Mineirão receberão atenção especial, em virtude do grande público esperado.

De acordo com o chefe da Sala de Imprensa da PM, major Flávio Santiago, o incremento de policiamento visa a inibir crimes que aumentam com os jogos, como os furtos. “Temos uma ampliação de furtos de celulares e de carteiras, que ocorrem enquanto as pessoas estão torcendo, muitas vezes distraídas. A presença da polícia, nesses casos, inibe a ação de bandidos que se aproveitam dessas situações”, disse.

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)


Segundo o policial, outro tipo de situação que terá atenção especial da corporação são as brigas, que aumentam nessas circunstâncias, muitas vezes devido ao consumo excessivo de bebidas alcoólicas. “A mera presença do policiamento já se faz suficiente para que esse tipo de comportamento não ocorra e o cidadão possa assistir aos jogos com tranquilidade”, afirmou o oficial.

No jogo de segunda-feira, houve tumultos e princípios de confusão na Savassi, provocados principalmente pela lotação – que tende a aumentar depois de amanhã. Por isso, organizadores do evento já chegam a cogitar um esquema de retirada de ingressos para acesso à área de exibição da partida. O major Orleans Antônio Dutra, comandante do policiamento na região, destaca a necessidade de os torcedores chegarem mais cedo, porque, se não houver controle de público, a segurança fica comprometida. “O ideal é que quem deixar para a última hora já procure outro local para ver o jogo”, afirma o militar.

Tanto no Mineirão quanto na Savassi, ainda que os eventos sejam particulares, a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) já precisou promover ações corretivas de remoção de resíduos “para o conforto e a segurança dos cidadãos”, informou o órgão da prefeitura. Para a próxima partida, um dos alertas mais incisivos é contra as garrafas de vidro ou long necks. “A Prefeitura de Belo Horizonte esclarece que promove ações educativas junto aos estabelecimentos que estão transmitindo os jogos da Copa. O objetivo é alertar os proprietários sobre as regras do Código de Posturas relativas à poluição sonora, para evitar a perturbação do sossego, e sobre as questões de segurança, evitando o uso de garrafas de vidro. O trabalho educativo é realizado em todas as regiões da cidade, com intensificação das ações onde há grande concentração de pessoas”, informou a PBH.

Mineirão também terá policiamento reforçado(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
Mineirão também terá policiamento reforçado (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)


Na Savassi, ontem, mais de 24 horas depois do jogo contra o México, ainda era possível notar rastros da concentração da véspera, em forma de lixo em canteiros e calçadas. Garrafas de bebida, pontas de cigarro, tampinhas, embalagens de alimentos e restos de comida ainda sujavam espaços públicos da região, que é tida como uma das mais agitadas da capital mineira.

Área de intenso comércio e vida noturna, ponto tradicional do happy hour, que na sexta começa mais cedo para muita gente, na Savassi os trabalhadores se dividem quando a bola rola para jogos da Copa. Para pessoas como Glória de Freitas, de 33 anos, atendente de uma loja de roupas, o jogo é um momento de monotonia. “Ninguém quer saber de comprar e eu, que não gosto muito de futebol, fico aqui esperando clientes e jogando no celular”, disse. Já o garçom David Antônio dos Santos, de 22, prevê que o trabalho vai se multiplicar, como vem ocorrendo gradativamente a cada vitória da Seleção. “A Copa é aquela hora em que a gente mais trabalha, mas é também divertido. Levamos os pedidos dos clientes, mas, quando sai o gol, comemoramos também.” (Com Lucas Eduardo Soares, estagiário sob supervisão do editor Roney Garcia)


Esquema do jogo

Confira como será o funcionamento de órgãos, comércio e serviços na sexta-feira,  dia da partida entre Brasil e Bélgica, às 15h de Brasília

ECONOMIA
» BANCOS

Agências funcionarão das 9h às 13h

»COMÉRCIO

Tanto as lojas de rua quanto as de shoppings poderão fechar, ficando a cargo do empresário a decisão, já que a liberação dos funcionários não é obrigatória

SERVIÇO PÚBLICO
»REPARTIÇÕES ESTADUAIS e MUNICIPAIS DE BH

Expediente das 8h às 14h

»REPARTIÇÕES FEDERAIS

Órgãos e entidades federais ficarão abertos. Servidores que optarem por trabalhar até as 13h terão de compensar a carga horária

EDUCAÇÃO
»ESCOLAS MUNICIPAIS, ESTADUAIS E PARTICULARES

Cada unidade terá autonomia para definir como serão as aulas em dias de jogos, assim como o sistema de reposição

TRANSPORTE

O funcionamento dos sistemas da capital e Grande BH ainda será definido 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade