Publicidade

Estado de Minas

Morte de ex-vice-reitor da UFMG sensibiliza comunidade acadêmica

O corpo de Evando Mirra, professor emérito da Escola de Engenharia, está sendo velado na noite desta sexta-feira, no Funeral House. Acadêmico ocupou outros cargos na universidade e em entidades


postado em 15/06/2018 20:40 / atualizado em 15/06/2018 21:38

(foto: Reprodução/Facebook)
(foto: Reprodução/Facebook)
Está sendo velado nesta sexta-feira, no Funeral House, o corpo do ex-vice reitor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), professor Evando Mirra de Paula e Silva, emérito da Escola de Engenharia. O acadêmico foi vice-reitor da UFMG entre 1990 e 1994 e ocupou os cargos de pró-reitor de pesquisa, chefe de departamento e presidente de diferentes entidades, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Em entrevista à UFMG, a professora Vanessa Guimarães Pinto, reitora no período em que Evando ocupava a vice-reitoria, disse que Mirra deixa amigos em toda a universidade, uma vez que atuava, também, na psicologia, filosofia e letras. “Era uma pessoa muito especial, um carinho só. Dividi com ele uma fase importante da minha vida e com ele aprendi muito”, contou.

Evando era professor emérito do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da Escola de Engenharia da UFMG, publicou centenas de trabalhos e integrava entidades como Associação Brasileira de Metalurgia e Materiais (ABM), Société Française de Métallurgie et de Matériaux (SFM), Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), American Society for Metals - Internacional (ASM) e Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos (SBEC). Também conforme a universidade, foi condecorado e premiado como Membre d´Honneur da Societé Française de Métalurgie et des Matériaux (França) e Membro da Ordem Nacional do Mérito Científico.

À UFMG, a vice-presidente da SBPC, Vanderlan Bolzani, lamentou a morte do professor "que grande contribuição para o universo científico-tecnológico do país". "Evando Mirra era fascinante, com sua visão de que, para atingir patamares de Primeiro Mundo, o Brasil precisa criar uma cultura inovadora, que ainda não temos. Ele sabia que falta ao país despojamento para utilizar o seu conhecimento e a sua ciência para fazer inovação local", contou.

No Facebook, diversas pessoas publicaram na página do professor mensagens de pesar. "O mundo perdeu mesmo uma pessoa incrível, sensível, boníssima", escreveu uma. "Você foi especial, grande e valoroso legado na vida de todos nós que tivemos a sorte e alegria de conviver com você", declarou outra. "Uma grande perda na terra, uma grande chegada para o céu", lamentou outra.

 

O corpo de Evando será cremado neste sábado, no Cemitério da Colina, em cerimônia restrita.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade