Publicidade

Estado de Minas

Belo Horizonte é a quarta cidade mais conectada do Brasil

Avaliação da organização Connected Smart Cities coloca a capital mineira em destaque em assuntos como meio ambiente, saúde e urbanismo. Desafios se apresentam nas áreas de educação, desenvolvimento econômico e segurança


postado em 07/06/2018 06:00 / atualizado em 07/06/2018 07:40

Destaque positivo de BH, a arborização valeu pontos para obtenção do 1º lugar no item meio ambiente(foto: Túlio Santos/EM/D.A PRESS)
Destaque positivo de BH, a arborização valeu pontos para obtenção do 1º lugar no item meio ambiente (foto: Túlio Santos/EM/D.A PRESS)
Belo Horizonte está entre as cidades mais conectadas do Brasil na avaliação da organização Connected Smart Cities, recebendo destaque sobretudo nas esferas de meio ambiente, saúde e urbanismo, mas ainda deixa a desejar em áreas como educação, desenvolvimento da economia e a segurança. No ranqueamento geral da entidade, a capital de Minas Gerais fica em quarto lugar, atrás de São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba, o que se traduz na metrópole figurar no Sudeste à frente apenas de Vitória.

“Uma cidade precisa ser desenvolvida a partir de uma série de necessidades dos cidadãos, sendo mais inteligentes e sustentáveis. Para isso, desenvolvemos 11 indicadores, sendo que a qualidade de vida propiciada liga tudo a cada um deles transversalmente”, disse a idealizadora desse programa, Paula Faria, ontem, quando BH sediou a etapa regional Sudeste do encontro – a nacional será em setembro, em São Paulo.

A Prefeitura de BH considera tão importantes essas diretrizes que as incorporou ao planejamento de governo, de acordo com o secretário de Modernização, Jean Mattos Duarte. “Criamos o programa Belo Horizonte Cidade Inteligente (BHCI) para reunir todo o programa de governo, para governar para quem precisa e fazer a cidade funcionar satisfatoriamente”, disse.

Seguindo esses preceitos, as administrações municipal e estadual ainda têm de buscar melhorias em setores que interferem diretamente com a qualidade de vida e o desenvolvimento da sociedade belo-horizontina. Segundo o representante da Connected Smart Cities e diretor da consultoria Urban Systems, que avaliou o ranking durante o evento, Willian Rigon, a capital mineira tem bom desempenho nas questões ambientais, liderando esse quesito no país. “BH já chegou a uma universalidade de saneamento e fornecimento de água que outras cidades ainda estão longe de alcançar. A arborização também é um destaque positivo, bem como a oferta de leitos e de investimento na saúde”, disse.

Contudo, os desafios são ainda muito grandes. Falta melhorar a qualidade do ensino fundamental, conseguir mais vagas no ensino público superior e disponibilizar mais serviços de educação online. A cidade precisa diversificar mais sua economia, abrir mais empregos formais, impulsionar o crescimento econômico e criar mais receitas próprias. A sensação de insegurança pode se explicar pelo baixo investimento público no setor e por um efetivo policial considerado baixo. “Quando tratamos de cidades grandes como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, a dificuldade de conseguir um atendimento mais uniforme se torna maior. Não é a mesma coisa nem tem as mesmas soluções de cidades de 100 mil habitantes”, pondera Rigon.

Camelôs nas ruas expõem falta de empregos formais, uma das deficiências da economia da cidade(foto: Túlio Santos/EM/D.A PRESS)
Camelôs nas ruas expõem falta de empregos formais, uma das deficiências da economia da cidade (foto: Túlio Santos/EM/D.A PRESS)


ILUMINAÇÃO
Uma das iniciativas de BH que atraiu a atenção de outras cidades participantes do encontro é a iluminação pública modernizada, que permitirá uma automação do sistema, bem como agregar outros serviços. “A iluminação pública de BH é um exemplo de êxito que inspira. Pois você consegue economia, reduz a agressão ao meio ambiente e ainda pode ter outros serviços como a medição da qualidade do ar”, disse o secretário de Modernização de BH, Jean Mattos Duarte. Ainda de acordo com ele, a prefeitura agora se concentra numa forma de disponibilizar dados públicos que podem ser utilizados pela iniciativa privada e startups para a criação de formas de melhoria da vida das pessoas bem como sua conectividade. O diretor-presidente da BHtrans, Célio Bouzada, afirma que a empresa deseja o mesmo tipo de abertura. “Se uma empresa desejar saber quais os intervalos dos ônibus de BH online, somos capazes de fornecer para que desenvolvam sistemas que auxiliarão o usuário, por exemplo. Aos poucos vamos abrindo esse tipo de dados”, afirma.

O desempenho das startups e da economia criativa no estado também ampliou as possibilidades de conexão do estado e essas áreas são importantes dentro da economia mineira. “A economia criativa é hoje considerada como uma válvula do desenvolvimento do estado, dentro de uma cultura que vê a inovação e a tecnologia como essenciais. Minas é um dos maiores polos, em BH temos o São Pedro Valley que é a maior comunidade de startups do mundo, com cerca de 300”, disse o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia. (MP)

 

CIDADES INTELIGENTES

Confira a posição de Belo Horizonte no ranking brasileiro

Resultado geral
1ª São Paulo
2ª Rio de Janeiro
3ª Curitiba
4ª Belo Horizonte
5ª Vitória

BH entre os 10 mais conectados
» Meio ambiente: 1ª
» Saúde: 2ª
» Urbanismo: 2ª
» Mobilidade e acessibilidade: 5ª
» Empreendedorismo: 5ª
» Tecnologia e inovação: 8ª
» Educação: não entra
» Governança: não entra
» Economia: não entra
» Segurança: não entra
» Energia: não entra

Fonte: Connected Smart Cities

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade