Publicidade

Estado de Minas

Mineração 'come pedaço' da Serra do Curral; veja comparação de fotos

Enquanto órgãos diversos do poder público não se entendem sobre regularidade de projeto, ação de mineradora vai a todo vapor abrindo terreno aos pés do maciço que deu nome a BH


postado em 03/06/2018 06:00 / atualizado em 03/06/2018 13:25

Área da Pau Branco abaixo do Pico Belo Horizonte: à esquerda, o resultado das
Área da Pau Branco abaixo do Pico Belo Horizonte: à esquerda, o resultado das "ações de recuperação do meio ambiente". As duas fotos da direita comparam as áreas vizinhas aos parques da Mangabeiras e Baleia, em 1996 e neste ano (foto: Sidney Lopes/EM/D.A PRESS e Divulgação)
Bem longe dos olhos da maioria dos belo horizontinos, uma imensa área de mineração se estende aos pés da Serra do Curral, maciço tombado cujos contornos deram nome à capital mineira. Seu pico mais alto, simbolicamente chamado Belo Horizonte, sobre o qual se avistam antenas de emissoras de rádio e TV, seria uma das formações ameaçadas pela atividade, ironicamente iniciada sob pretexto de “recuperação ambiental” da área. A exploração de recursos minerais na região divide opiniões e é cercada de informações restritas: enquanto a Secretaria de Estado do Meio Ambiente, responsável por zelar pela preservação de recursos naturais em Minas, defende a lisura da atuação da mineradora, contrariando parecer de um de seus próprios órgãos técnicos, o Ministério Público sustenta que há descumprimento de decisão judicial na região, mas não explica qual é a inconformidade. A Prefeitura de BH reforça a tese de irregularidades, mas também pouco esclarece sobre elas. E o órgão de patrimônio federal tenta, há quatro anos, definir se, enfim, há ou não agressão a área tombada. Enquanto isso, os trabalhos da companhia seguem a todo vapor.

Pipocam denúncias de que a atividade desenvolvida pela Empresa de Mineração Pau Branco (Empabra) na região da antiga Granja Corumi, no Bairro Taquaril, Leste de Belo Horizonte, ameaça o Parque Estadual Floresta da Baleia e a Serra do Curral, um dos principais cartões-postais da capital mineira tombado pelo patrimônio em níveis municipal, estadual e federal. Imagens produzidas pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF) que comparam o mesmo ponto da serra em 1996, 2017 e 2018 mostram mudança no perfil da montanha, o que dá indícios de mineração em área tombada.

Laudo produzido pelo IEF, gestor do Parque da Baleia, atesta que a mineração alterou o perfil do solo adjacente ao limite da área de preservação e reduziu a capacidade de armazenamento de água na microbacia da unidade de conservação. A alteração, indica o documento, abre possibilidade para desestabilização do solo e deslizamento de terra, o que pode desfigurar a formação geomorfológica da área de preservação ambiental. Apesar desse laudo, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) diz que o empreendimento não afeta a  unidade de conservação, tem autorização da Agência Nacional de Mineração (ANM) e está respaldado por um termo de ajustamento de conduta (TAC) assinado com a empresa em 2015. Enquanto isso, o processo de licenciamento ambiental para a atividade ainda está tramitando e a Empabra garante que única atividade que desenvolve em áreas limítrofes com a Serra do Curral e com o Parque da Baleia é de recuperação do meio ambiente, minerando apenas em área autorizada – ainda que as imagens do IEF ponham em xeque essa versão.

 O vereador Gilson Reis (PC do B) diz que em vistoria no local da atividade ficou constatado que a empresa está colocando em risco o Pico Belo Horizonte, desenvolvendo mineração na base da área de maior elevação da capital mineira, que faz parte da Serra do Curral. O assunto foi tema de audiência pública na Câmara Municipal em 16 de maio. Em visita ao entorno da área de atuação da mineradora, a equipe de reportagem do Estado de Minas constatou alteração das características da serra bem abaixo do pico Belo Horizonte, elevação que fica ao lado das antenas de televisão e de uma unidade da Polícia Militar. “Nós visitamos o local e constatamos que essa empresa está minerando na base do pico. Eles tinham autorização para minerar na região até o tombamento da Serra do Curral, quando o direito foi cancelado. Quando esse termo de ajustamento de conduta foi feito, além de continuar a exploração mineral, eles ampliaram a área de mineração para outra região nas cercanias aos parques da Baleia e das Mangabeiras”, afirma o vereador.

‘FACHADA’ O parlamentar e moradores que vivem no entorno do empreendimento denunciam que, na verdade, a empresa usou como fachada uma recuperação ambiental solicitada pelo Ministério Público para continuar minerando na região, sem controle e sem licenças necessárias para a atividade. Em razão dos passivos ambientais resultantes da mineração até 1991 na Granja Corumi (Mina do Taquaril), a empresa assumiu o compromisso, em 2003, de promover a recuperação ambiental a partir de um Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (Prad) exigido pelo MP, conforme aprovação do Conselho Municipal de Meio Ambiente (Comam) de Belo Horizonte. Em 2015, a empresa foi chamada a promover a regularização ambiental junto ao estado, conforme solicitação do MP. O problema é que no âmbito do que seria a recuperação com “retaludamento das superfícies degradadas, implantação do sistema de drenagem e revegetação”, ficou constatado que a empresa estava minerando em outro ponto, o que foi verificado pela própria Semad, motivando uma “reorientação” do processo de licenciamento.

IEF não foi ouvido em licenciamento


Uma fonte ligada ao Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), que pede anonimato, sustenta que quando ocorreram tanto o licenciamento da mineração da Empabra na Serra do Curral em nível municipal quanto a assinatura do termo de ajuste de conduta com a Semad, o IEF deveria ter sido consultado sobre impactos ambientais da atividade sobre o Parque da Baleia, conforme resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). “Se isso tivesse ocorrido, o órgão teria se manifestado contrariamente à atividade”, afirma a fonte. Já a Semad sustenta que na época do licenciamento no município de Belo Horizonte, em 2008, o empreendimento obteve as concordâncias do Iphan e do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG). A pasta informou que já solicitou atualização dessas anuências.


O Iphan informou que há um processo de licenciamento sobre a mineração em andamento desde de 2014, considerado “prioridade”. Mas, “como há um novo técnico analisando, ele está lendo todo o processo para melhor conhecê-lo”, justifica o órgão. De acordo com a Fundação Municipal de Cultura (FMC), o plano de recuperação da área degradada foi aprovado pelo conselho que cuida do patrimônio da cidade, e em novembro do ano passado o MP solicitou que o órgão se manifestasse mais uma vez. Na ocasião, ficaram definidos prazos e medidas a serem tomadas para proteger o Muro de Pedras, ocorrência arqueológica situada na Serra do Curral. “Caso o plano de recuperação não contemple a preservação do Muro de Pedras, a empresa deverá assinar termo de ajustamento de conduta, sem prejuízo da adoção de medidas compensatórias e mitigatórias pelos danos já causados pela operação da mina”, diz a pasta. Ainda este mês a FMC informa que visitará o local.

 
Já o Iepha informou que a licença prévia passou por análise que constatou que o empreendimento não se encontra em área de proteção estadual. “Por não ter diretrizes de proteção para a área, o Iepha acompanhou a manifestação do Iphan e dos municípios diretamente impactados, expressas nas respectivas manifestações/anuências e pareceres emitidos pelos mesmos quanto à avaliação do empreendimento em relação aos seus bens culturais protegidos”, diz o órgão, em nota. Para a próxima fase de licenciamento, o Iepha solicitou à mineradora que apresente cronograma que concilie as atividades com medidas de recuperação do meio ambiente, de forma a minimizar os impactos sobre a paisagem natural.

 
O gerente de Relacionamento Institucional e Comunicação da Empabra, Fernando Cláudio, nega haver qualquer irregularidade na operação da empresa. Segundo ele, nos pontos limítrofes entre a área de 66 hectares de atuação da empresa, o Parque da Baleia e a Serra do Curral, o que está ocorrendo são ações de recuperação do meio ambiente. Só há mineração em 12 hectares que não incluem área tombada nem unidade de conservação, segundo a empresa. “O Plano de Recuperação de Área Degradada liberado pelo município de Belo Horizonte permite a atividade de lavra e, a partir de 2015, passa a ser autorizado pela Semad. Foi exigido pelo Ministério Público, em Ação Civil Pública, que todos os proprietários da área minerada entre as décadas de 50 e 90 fizessem a recuperação dos terrenos, mas apenas a Empabra assinou e se comprometeu a recuperar toda a área”, afirma.

Ele acrescenta que a degradação promovida no ponto da Serra do Curral abaixo do Pico Belo Horizonte foi promovida por outras empresas antes da década de 1990, quando a mineração ainda era autorizada, em período anterior ao tombamento da serra. “Naquele ponto ainda vai haver a recuperação. Vai ser finalizado um plano de recuperação, porque esse plano não consiste somente no replantio da vegetação. É preciso fazer obras de reconformação de talude, até pela questão da drenagem local crítica”, completa. A empresa estima que a recuperação de todo o trecho leve 10 anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade