Publicidade

Estado de Minas

Polícia investiga morte de transportador que participou de greve dos caminhoneiros em MG

Maurício Miranda, que defendeu resistência nos bloqueios, foi morto quando saia de casa para o trabalho, em Governador Valadares. Linhas de investigação da Polícia Civil não descarta crime de mando


postado em 02/06/2018 13:31 / atualizado em 02/06/2018 16:33

A Polícia Civil investiga as circunstâncias do assassinato do empresário do ramo de transporte Maurício Miranda Silva, de 48 anos, ocorrido na manhã da sexta-feira, em frente a casa dele, em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce. Maurício, que participou ativamente da greve dos caminhoneiros, inclusive resistindo em colocar fim ao movimento depois de acerto entre governo federal e representantes da categoria, foi velado e enterrado neste sábado, na cidade de Ervália, na Zona da Mata.

Durante movimento grevista, o Maurício foi contra acordo fechado em Brasília para fim de protesto(foto: Reprodução/TV Alterosa Leste)
Durante movimento grevista, o Maurício foi contra acordo fechado em Brasília para fim de protesto (foto: Reprodução/TV Alterosa Leste)
 
De acordo com a Polícia Militar, antes da 9h da sexta-feira, Maurício Miranda foi abordado quando saia de sua casa, na Rua Fausto Perim, no Bairro Grã-Duquesa. Ele se preparava para ir trabalhar, caminhava em direção à sua caminhonete Fiat Strada Working, que já estava estacionada na rua, quando surgiram dois homens em uma motocicleta.

Um dos criminosos, armado, desceu e abordou o empresário em frente a casa dele. O aspirante Eduardo Cardoso, que comandou a operação da PM, disse que testemunhas contaram que Maurício e o assassino entraram em luta corporal, mas ele não conseguiu desarmar o seu agressor. Houve então um primeiro disparo, que atingiu as costas da vítima, para em seguida o bandido atirar contra a cabeça do transportador.

Ainda, segundo o aspirante, a mulher do empresário deu informações de supostos autores e confirmou que o marido vinha sofrendo ameaças, por causa de uma dívida de R$ 100 mil. Mas, até o começo da tarde deste sábado, o assassino não havia sido identificado e ninguém tinha sido preso. Imagens de câmeras de segurança vizinhas ao local do crime podem ajudar os agentes da Polícia Civil a encontrar os criminosos.

No dia 25 último, Maurício Miranda concedeu entrevista à TV Alterosa Leste, durante um bloqueio de caminhoneiros na BR-116, na saída de Governador Valadares para Teófilo Otoni. Ele era dono de uma empresa do ramo de transporte de bois. Na reportagem (veja vídeo abaixo) Maurício critica o acordo para o fim da greve entre representantes da categoria e governo federal. “Não teve acordo não. Quem estava lá não nos representa. Está tudo parado, do mesmo jeito”, disse o transportador.   



A polícia não deu detalhes se a resistência de Maurício Miranda, durante o movimento grevistas, está entre as linhas de investigações. A mulher dele deve ser ouvida oficialmente na segunda-feira, na Delegacia de Homicídios da cidade, assim como outras testemunhas. Ele foi atingido por dois tiros nas costas e um na cabeça. A suspeita de execução a mando de algum desafeto não está descartada, já que o assassino atirou na cabeça da vítima e fugiu depois de ter certeza que ela havia morrido. 

Informações sobre autores e motivação do crime podem ser dadas pelo disque denúncia 181, de forma anônima.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade