[an error occurred while processing this directive] Polícia investiga morte de bebê de quatro meses no Norte de Minas - Gerais - Estado de Minas
Publicidade

Estado de Minas

Polícia investiga morte de bebê de quatro meses no Norte de Minas

Mãe da criança é apontada por testemunhas como suspeita do crime


postado em 17/05/2018 15:37 / atualizado em 17/05/2018 15:40


As circunstâncias da morte de uma criança de quatro meses estão sendo investigadas pela Policia Civil de Januária, na Região Norte de Minas. A suspeita é que o bebê teria sido vítima de agressão.

O menino deu entrada no Hospital Municipal de Januária, na madrugada de quarta-feira, em estado grave, com hematomas no rosto e nas costas, e morreu por volta das 12h30 do mesmo dia, depois de sofrer uma parada cardíaca. O bebê foi levado para o hospital pelo Corpo de Bombeiros.

O médico plantonista constatou os sinais de agressão e a Policia Militar foi acionada. Ao chegar ao hospital, a mãe alegou que a criança estava amamentando e engasgou. Ela, então, pediu ajuda aos vizinhos, que chamaram os bombeiros.

Depois, em conversa com os policiais militares, a mãe disse que os hematomas na face e nas costas da criança foram consequência de uma queda da cama. Ela alegou que o filho foi “puxado” da cama pela irmã.

No entanto, o ex-companheiro da mulher e pai do bebê compareceu ao hospital e informou aos policiais que os ferimentos na criança foram provocados durante uma briga entre a mãe e o atual namorado dela, ocorrida domingo passado. O pai da criança disse que a ex-companheira o procurou, pedindo para comprar remédios para o filho.

Após a morte do bebê, na tarde de quarta-feira, a mãe tentou suicídio, ingerindo o veneno “chumbinho”. Ela foi internada no Hospital Municipal de Januária, em estado grave. Mas, foi medicada e já foi liberada.

O delegado da Polícia Civil de Januária, Alberto Tenório, informou que foi aberto inquérito, que vai apurar o que provocou a morte da criança. A mãe já foi interrogada, juntamente com testemunhas. Ela teria negado a agressão, mas deverá ser chamada para prestar novo depoimento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade