Publicidade

Estado de Minas

Professores de Umeis protestam na Câmara e ganham apoio de vereadores

Categoria que está em greve fez ato contra votação do PL 442/2018, por entender que não contempla pedido de equiparação com professores do ensino fundamental


postado em 14/05/2018 21:40 / atualizado em 14/05/2018 22:44

Em greve desde 23 de abril, professores querem equipação salarial(foto: Gladyston Rodrigues/EM/ D.A Press)
Em greve desde 23 de abril, professores querem equipação salarial (foto: Gladyston Rodrigues/EM/ D.A Press)
Professores das Unidades Municipais de Educação (Umeis) conseguiram adiar a leitura do Projeto de Lei 442/2018, que estabelece um novo modelo de administração das unidades, entre outros temas, durante ato na Câmara Municipal. De acordo com Robson Torrezani, diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal (Sind-REDE), a proposta do Executivo não contempla a unificação de salários e, portanto, não atende a categoria.

Além de brecar a leitura do PL, que seria levado a apreciação dos parlamentares para ser votado, os professores conseguiram apoio de 20 vereadores de oposição à administração municipal, que vão formar uma comissão para pressionar o prefeito. “O líder do governo, Léo Burguês (PSL), também se comprometeu a tentar nova rodada de negociação com a prefeitura. Até agora tivemos dois encontros, sem avanços”, explicou Torrezani.

De greve desde 23 de abril, educadores infantis prometem seguir de braços cruzados pelo menos até assembleia da categoria marcada para a quarta-feira. Eles então avaliam se seguem em greve, que tem como principal motivação a não equipação salarial com os professores do ensino fundamental da rede pública municipal. A administração municipal, segundo o sindicato dos trabalhadores, mantém proposta de 20% de aumento dos salários e a retomada do PL 442, que prevê melhoria na carreira.

Porém, os professores querem a equiparação salarial com quem dá aulas para o nível fundamental (crianças a partir de 6 anos). Assim, saem do nível 1 para o 10. O concurso para professor da educação infantil exige formação em nível médio e para o fundamental, curso superior. A própria PBH informou que 70% das professoras das Umeis têm graduação.

A Secretaria Municipal de Planejamento da PBH, na semana passada, informou que aguarda o fim da greve dos professores das Umeis para retomar as negociações. Administração municipal informou que já chegou ao "limite orçamentário em relação à implementação da proposta de até 21,5% de reajuste. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade