Publicidade

Estado de Minas

Congado reverencia santos e atrai seguidores em festival na Praça da Liberdade

Festival Canjerê ocorre na Praça da Liberdade até as 18h deste domingo. Evento reúne comunidades quilombolas de várias regiões do estado.


postado em 13/05/2018 11:48 / atualizado em 13/05/2018 12:44


No altar colorido, Nossa Senhora do Rosário e São Benedito. Diante dele, música, tambores, dança e a fé inabalável. Antes, o cortejo desfilou pela Praça da Liberdade, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, arrastou quem passeava por lá, entrou na Alameda da Educação para chegar até os santos de devoção e prestar homenagem. O ritual foi seguido pelos grupos de congado de diversas regiões de Minas Gerais participantes do Festival Canjerê, que movimenta um dos locais mais nobres da capital até o fim da tarde deste domingo. Em sua 3ª edição, o evento, que reúne comunidades quilombolas mineiras, tem como tema os 130 anos da abolição escravatura.

Um grande cortejo arrastou seguidores nesta manhã por avenidas do Bairro de Lourdes para estampar a religiosidade e a tradição de uma das expressões mais marcantes da cultura popular afrobrasileira. Reunidos, os grupos partiram pela Avenida João Pinheiro, em direção à Igreja de Lourdes. Na volta, pararam em frente ao Palácio da Liberdade, onde levantaram o mastro com Nossa Senhora do Rosário e São Benedito. “Levantar o mastro é levantar o santo e afirmar o território, além de abençoar o evento”, explica um dos coordenadores do Canjerê, Jésus Rosário Araújo, morador do quilombo do Indaiá, em Antônio Dias, no Vale do Rio Doce.

Oito grupos eram esperados na programação do festival: Ribanceira, de São Romão, e Vila Nova dos Poções, de Janaúba (Norte de Minas); Pinhões, de Santa Luzia, na região metropolitana e Quilombo Nossa Senhora do Rosário, de Ribeirão das Neves (na Região Metropolitana de Belo Horizonte); Cruzeiro, Brejo, Vila Santo Isidoro, Misericórdia, Moco dos Pretos, Alto Caititu e Caititu do Meio, de Berilo e Chapada do Norte (Vales do Jequitinhonha e Mucuri); Dr. Campolina, de Jequitibá, e Chacrinha dos Pretos, de Belo Vale (na Região Central); e Comunidade Carrapatos da Tabatinga, de Bom Despacho (Centro-Oeste do estado).

Guarda de Congo Divino Espírito Santo, de Santa Luzia, desfila pela Praça da Liberdade(foto: Marcos Vieira/EM/DA Press)
Guarda de Congo Divino Espírito Santo, de Santa Luzia, desfila pela Praça da Liberdade (foto: Marcos Vieira/EM/DA Press)


A programação, gratuita, tem feira de artesanato, cortejos de congado, reinado e batuque, apresentações culturais, oficinas e rodas de conversas. Além das 60 barracas com artesanatos, culinária e produtos quilombolas, o Canjerê tem exibições de filmes quilombolas, apresentações culturais, oficinas, rodas de conversas, entre outras atrações nos espaços do Circuito Liberdade.A expositora Graça Matilde, também do quilombo de Indaiá, vendeu almofadas, tapetes, jogos americanos e vários outros artigos de artesanato e da culinária. “É muito bom participar e conhecer outros produtos e comunidades, dar visibilidade ao nosso trabalho”, disse.

Entre o público, o interesse e a admiração foram grandes. A administradora Mariângela Vilckas, de 40 anos, nasceu em Goiás e mora há oito anos em BH. “Lá também tinha muito congado. Esse som me lembra a infância, quando eu escutava os grupos se preparando”, lembra. Nesta manhã, ela e professoras do colégio dos filhos, a Escola Waldorf Miguel Arcanjo, na Pampulha, fizeram uma verdadeira imersão no congado, repetindo a experiência deste sábado, quando também acompanharam a festa do Preto-Velho, na Praça 13 de maio, no Bairro da Graça, na Região Nordeste da capital.

Isso porque o congado será levado para a festa de São João da instituição, este ano. “É importante manter e mostrar a cultura às novas gerações, além da importância religiosa, de Nossa Senhora, e todo o contexto da adoração”, afirmou Mariângela. O festival é promovido pela Federação das Comunidades Quilombolas de Minas Gerais -N’Golo com a parceria do governo do estado, por meio do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG). Começou na sexta-feira e vai até este domingo, às 18h. A entrada é gratuita.

(foto: Marcos Vieira/EM/DA Press)
(foto: Marcos Vieira/EM/DA Press)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade