Publicidade

Estado de Minas

Professores do ensino fundamental anunciam greve e saem em passeata por BH

Os educadores decidiram entrar em greve na próxima quinta-feira. O grupo saiu em passeata por vias do Centro, o que deixou o trânsito lento


postado em 09/05/2018 11:54 / atualizado em 09/05/2018 18:46

Professores fizeram uma passeata pelo Centro de Belo Horizonte(foto: Beto Novaes/EM/D.A.Press)
Professores fizeram uma passeata pelo Centro de Belo Horizonte (foto: Beto Novaes/EM/D.A.Press)

Os professores do ensino fundamental de Belo Horizonte decidiram entrar em greve na próxma semana. A decisão foi tomada em uma assembleia realizada nesta quarta-feira na Praça da Estação. Após a reunião, os educadores saíram em passeata pelo Centro. O trânsito ficou lento. Profissionais da educação infantil estão paralisados desde 23 de abril.

A assembleia teve início 8h30, e durou aproximadamente três horas. No encontro, a categoria decidiu cruzar os braços, segundo Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal (Sind-Rede). Por volta das 11h30, os educadores deixaram a Praça da Estação e subiram a Avenida Amazonas, em direção à Praça Sete. Segundo a BHTrans, uma faixa da esquerda foi liberada para o trânsito de ônibus.

Os trabalhadores em educação cobram reajuste salarial e carreira única para educação infantil, com equiparação salarial entre educação infantil e fundamental. Atualmente, a educação básica respeita os níveis de 1 a 10, enquanto a fundamental obedece ao grau 10 até o 24.

Além disso, pedem a ampliação do chamado "tempo de estudo". Este período diz respeito às tarefas extraclasse, como dedicação aos pais e responsáveis, correção de avaliações e elaboração do conteúdo lecionado. Os professores pedem o aumento de 5h para 7h do intervalo total.

Na terça-feira, segundo Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal (Sind-Rede), a categoria se reuniu com representantes da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), mas não houve acordo. A entidade afirma que a administração municipal não apresentou nenhuma proposta. Um novo encontrou deve ser marcado para a próxima quarta-feira. 

Paralisação


Professores das Unidades Municipais de Educação (Umeis) seguem paralisados. A categoria rejeitou a proposta do prefeito Alexandra Kalil (PHS) de 20% de aumento e a retomada do Projeto de Lei 442, que prevê melhorias na carreira. Pelo projeto, professoras com nível superior que assumiram recentemente seus cargos saltariam do nível 1 para o 4. A carreira de docentes da Prefeitura de BH tem 24 níveis.

Os professores exigem equiparação salarial com quem dá aulas para o nível fundamental (crianças a partir de 6 anos de idade). Assim, saem do nível 1 para o 10. O concurso para professor da educação infantil exige formação em nível médio e para o fundamental, curso superior. A própria PBH informou que 70% das professoras das Umeis têm graduação.

Por meio de nota, a secretaria de Planejamento informou que a arrecadação, considerando os primeiros três meses do ano, registrou queda de 1,12% em comparação com o mesmo período de 2017. Acrescentou que dos oito itens da pauta apresentada pelo Sind-Rede, cinco deles já tiveram encaminhamentos pelo governo. “Quanto aos dois pedidos de recomposição salarial que chegaria a 27,34%, a proposta é esperar o fim deste semestre para avaliar a saúde financeira do município”, diz o texto. Sobre a carga horária, a pasta afirma que “cumpre a legislação federal 11738/2008, mas que poderá retomar a conversa em reunião já agendada para o próximo dia 16”.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade