Publicidade

Estado de Minas

Professores municipais fazem assembleia nesta quarta-feira no Centro de BH

Os educadores decidem se vão entrar, ou não, em greve, assim como os profissionais da educação infantil, que estão paralisados desde 23 de abril


postado em 09/05/2018 10:51 / atualizado em 09/05/2018 11:53

Categoria está reunida em assembleia na Praça da Estação para decidir os rumos da paralisação(foto: Beto Novaes/ EM/ D.A Press)
Categoria está reunida em assembleia na Praça da Estação para decidir os rumos da paralisação (foto: Beto Novaes/ EM/ D.A Press)

Os professores do ensino fundamental de Belo Horizonte realizaram uma assembleia nesta quarta-feira na Praça da Estação. Os educadores decidem se vão entrar, ou não, em greve, assim como os profissionais da educação infantil, que estão paralisados desde 23 de abril.

Os trabalhadores em educação cobram reajuste salarial e carreira única para educação infantil, com equiparação salarial entre educação infantil e fundamental. Atualmente, a educação básica respeita os níveis de 1 a 10, enquanto a fundamental obedece ao grau 10 até o 24.

Além disso, pedem a ampliação do chamado "tempo de estudo". Este período diz respeito às tarefas extraclasse, como dedicação aos pais e responsáveis, correção de avaliações e elaboração do conteúdo lecionado. Os professores pedem o aumento de 5h para 7h do intervalo total. Após a assembleia, os educadores sairam em protesto em vias do Centro de Belo Horizonte. 

Na terça-feira, segundo Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal (Sind-Rede), a categoria se reuniu com representantes da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), mas não houve acordo. A entidade afirma que a administração municipal não apresentou nenhuma proposta. Um novo encontrou deve ser marcado para a próxima quarta-feira.

Os trabalhadores em educação cobram reajuste salarial e carreira única para educação infantil, com equiparação salarial entre educação infantil e fundamental(foto: Beto Novaes/ EM/ D.A Press)
Os trabalhadores em educação cobram reajuste salarial e carreira única para educação infantil, com equiparação salarial entre educação infantil e fundamental (foto: Beto Novaes/ EM/ D.A Press)
 

Paralisação


Professores das Unidades Municipais de Educação (Umeis) seguem paralisados. A categoria rejeitou a proposta do prefeito Alexandra Kalil (PHS) de 20% de aumento e a retomada do Projeto de Lei 442, que prevê melhorias na carreira. Pelo projeto, professoras com nível superior que assumiram recentemente seus cargos saltariam do nível 1 para o 4. A carreira de docentes da Prefeitura de BH tem 24 níveis.

Os professores exigem equiparação salarial com quem dá aulas para o nível fundamental (crianças a partir de 6 anos de idade). Assim, saem do nível 1 para o 10. O concurso para professor da educação infantil exige formação em nível médio e para o fundamental, curso superior. A própria PBH informou que 70% das professoras das Umeis têm graduação.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade