Publicidade

Estado de Minas

Pastor suspeito de abuso sexual é executado em Governador Valadares

Vítima seria a ex-enteada, de 11 anos, e o crime era cometido em conversas no WhatsApp. Um tio da criança é apontado pela PM como mandante do homicídio


postado em 07/05/2018 10:17 / atualizado em 07/05/2018 10:41

Um pastor foi morto com cinco tiros após a ex-mulher acusá-lo de assediar sexualmente, por conversas no WhatsApp, a sua filha e ex-enteada da vítima, de 11 anos, em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce. Um homem foi preso por participação no homicídio e a polícia ainda procura o tio da criança, apontado como mandante do crime, ocorrido na noite de domingo.

De acordo com a Polícia Militar (PM), José Bertoldo Martins Filho, de 58, estava em casa, no Bairro Vila dos Montes, com a atual esposa, de 31, e com um enteado, quando dois homens o chamaram no portão. O enteado foi à porta da casa com o padrasto, mas os homens mandaram que o menino retornasse. Minutos depois, o pastor foi assassinado com cinco tiros.

A atual companheira foi ao portão e viu dois homens correndo em direção a uma moto com capacetes na cabeça. Vizinhos contaram à PM que a causa do homicídio era um desentendimento com a ex-mulher do religioso, Adriana Nogueira, de 37. Os policiais localizaram a mulher e questionaram se ela tinha algum atrito com o pastor.

Aos policiais, Adriana contou que o pastor assediava sexualmente a filha dela em conversas no Whatsapp. Um tio da criança, Márcio Ramos Carvalho, de 28, teria visto as mensagens e, logo em seguida, teria ido à casa de Mateus Cristian Cardoso de Souza, de 21. Segundo apurações da PM, ele teria dito que iria matar o pastor e pediu ajuda ao jovem.

Mateus foi preso por participação no crime e contou aos militares que Márcio foi à casa do pastor com um outro homem, não identificado, com duas armas, de calibres 32 e 38, em uma moto. O tio da criança não foi localizado. O celular da criança, em que estavam armazenadas as mensagens do pastor, foi apreendido.

 

*Estagirário sob supervisão da subeditora Regina Werneck 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade