Publicidade

Estado de Minas

Manifestação de professores complica trânsito na Avenida Amazonas

Grupo marcha desde Contagem até a Praça da Liberdade pelo pagamento do piso nacional. Motoristas enfrentam muita dificuldade e melhor opção nesta manhã é a Via Expressa


postado em 05/04/2018 09:16 / atualizado em 05/04/2018 13:29

Grupo passou pela Praça da Cemig e agora segue pela Avenida Amazonas em direção à Praça da Liberdade(foto: Gil de Carvalho/SindUTE/MG)
Grupo passou pela Praça da Cemig e agora segue pela Avenida Amazonas em direção à Praça da Liberdade (foto: Gil de Carvalho/SindUTE/MG)
Trabalhadores da educação estadual fazem uma marcha na manhã desta quinta-feira que saiu de Contagem, na Grande BH, e chegou na Praça da Liberdade, Centro-Sul de Belo Horizonte. O resultado do protesto, que pede o pagamento do piso nacional dos professores, é o trânsito complicado na Avenida Amazonas, sentido Centro, principal via que será percorrida durante a manifestação.

Veja também: Protesto de taxistas atrapalha trânsito de ônibus na Avenida Pedro I

O tráfego também foi afetado nas vias desde a Praça dos Trabalhadores, em Contagem, até a chegada na Amazonas. O grupo desceu até a avenida de BH pela marginal da trincheira da Praça da Cemig. O melhor caminho para os motoristas que querem acessar as regiões Oeste e Centro-Sul de BH é a Via Expressa.

Os professores estão em greve desde 8 de março pelo pagamento do piso nacional da categoria, conforme acordo firmado com o Governo de Minas em 2015, que gerou uma lei aprovada pela Assembleia Legislativa.

Em nota, a Secretaria de Estado de Educação informou que as dificuldades financeiras que o estado atravessa impedem o cumprimento do acordo pelo piso e que vem se empenhando na busca de uma conciliação com o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (SindUTE/MG).

Segundo a pasta, em reunião de mediação com o Ministério Público de Minas Gerais, a secretaria se comprometeu com 12 medidas definidas no encontro, mas a categoria rejeitou as propostas em assembleia e manteve a greve. Diante disso, o Governo de Minas avalia quais medidas irá tomar.

Professores desceram pela marginal da trincheira da Praça da Cemig e já estão na Avenida Amazonas, onde trânsito é muito lento(foto: Gil de Carvalho/SindUTE/MG)
Professores desceram pela marginal da trincheira da Praça da Cemig e já estão na Avenida Amazonas, onde trânsito é muito lento (foto: Gil de Carvalho/SindUTE/MG)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade