Publicidade

Estado de Minas

Promotor vai recorrer da decisão que absolveu cunhado de Ana Hickmann

Em 2016, Rodrigo Augusto de Pádua acabou morto quando invadiu um hotel no Belvedere para matar a apresentadora. O cunhado dela reagiu e atirou contra o homem


postado em 04/04/2018 06:00 / atualizado em 04/04/2018 07:37

O Ministério Público de Minas Gerais apresentou denúncia por homicídio doloso contra Gustavo Corrêa em 7 de julho de 2016(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press - 18/12/2017)
O Ministério Público de Minas Gerais apresentou denúncia por homicídio doloso contra Gustavo Corrêa em 7 de julho de 2016 (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press - 18/12/2017)

O promotor do Tribunal do Júri do Fórum Lafayette, em Belo Horizonte, Francisco de Assis Santiago, adiantou que vai recorrer da decisão que inocentou o cunhado da modelo e apresentadora de TV Ana Hickmann, Gustavo Henrique Bello Corrêa, do crime de homicídio doloso – quando há intenção de matar – contra o fã da artista, Rodrigo Augusto de Pádua, em maio de 2016. Na época, Rodrigo invadiu um hotel no Bairro Belvedere, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, onde Ana Hickmann estava hospedada, e tentou matá-la. A juíza Âmalin Aziz Sant’Ana, titular do juízo sumariante do 2º Tribunal do Júri da capital, considerou que o réu agiu em legítima defesa.

A decisão foi divulgada ontem pelo Fórum Lafayette. A sentença, porém, só deve ser publicada amanhã no Diário do Judiciário eletrônico (DJe). O promotor aguarda a publicação para conhecer o teor da decisão, mas já adiantou que não concorda. “Vou recorrer. Não concordo com a decisão. Vou tomar conhecimento e depois entrar com recurso”, se limitou a dizer.

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) apresentou denúncia por homicídio doloso contra Gustavo Corrêa em 7 de julho de 2016. Ele foi enquadrado no artigo 121 do Código Penal, que prevê reclusão de 12 a 30 anos por homicídio qualificado. A denúncia foi em sentido oposto ao que a Polícia Civil do estado apontou na investigação. O delegado Flávio Grossi, responsável pelo caso, pediu o arquivamento do inquérito, alegando que Gustavo teria agido em legítima defesa. Pádua foi morto com três tiros na nuca, depois de lutar com o cunhado da apresentadora.

Na denúncia, o promotor Francisco Santiago, apontou que Correa, ao iniciar embate corporal com Pádua, agiu em legítima defesa, mas excedeu essa condição e praticou homicídio doloso. A principal prova disso, para a Promotoria, são os três tiros dados na nuca do suposto fã da apresentadora. O agressor chegou ao quarto depois de render Corrêa e o obrigar a levá-lo até o quarto de Ana Hickmann, que estava com uma assistente. Os três foram mantidos sob a mira de um revólver. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade