Publicidade

Estado de Minas

Serra do Espinhaço: a cordilheira domada pela sede do ouro

Considerada o embrião do povo mineiro, a cadeia rochosa na qual Mariana, Ouro Preto e Ouro Branco nasceram, atraiu aventureiros e exploradores movidos pelo interesse econômico


postado em 11/03/2018 07:00 / atualizado em 12/03/2018 10:48

Ouro Preto – A descrição do terreno inclui tantos obstáculos que seria capaz de repelir os mais confiantes desbravadores. “As serras são muito escarpadas. Os vales, extremamente fechados, de difícil circulação. Os terrenos livres eram tão hostis que lembravam um deserto rochoso, que os portugueses corromperam (linguisticamente) de desertão, para sertão”, conta o geólogo e diretor do Museu de História Natural da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Antônio Gilberto Costa.



Essa área da cadeia de montanhas da Serra do Espinhaço, onde Mariana, Ouro Preto e Ouro Branco nasceram, não permitiria uma ocupação humana natural, mas a descoberta do ouro nos córregos que permeiam aqueles vales tornou a região um destino lendário no mundo ocidental, especialmente no século 18. “Foi o interesse econômico pelo ouro que fez os europeus vencerem as condições inadequadas para se estabelecer na região. E foi esse povoamento o embrião do povo mineiro como conhecemos hoje”, destaca o professor de História da Arte e Iconografia do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), Alex Bohrer. 

Entre as cadeias montanhosas da região das minas, a mais importante, na concepção do professor Alex Bohrer, seria a Serra de Ouro Preto, onde floresceu o município que chegou a ser uma das cidades mais proeminentes e ricas do ocidente no século 18. “A Serra de Ouro Preto era o caminho entre o distrito de Cachoeira do Campo, onde ficava o palácio do governador da capitania, e a sede de Ouro Preto, na época, Vila Rica, onde estava o palácio administrativo. Era, também, o caminho para se chegar ao Rio das Velhas, a rota natural para se atingir o Rio São Francisco e, assim, o mar”, define Bohrer.

A separação de Minas


Em 1720, estourou a Revolta de Filipe dos Santos, um português que liderou um levante contra a Coroa devido à instalação das casas de fundição de ouro, à restrição de circulação desse metal precioso apenas em barras e à cobrança de um quinto do ouro minerado como imposto. A execução de Filipe, ordenada pelo governador, o conde de Assumar, culminou com a separação de Minas Gerais de São Paulo, para ter um governo próximo à região das minas. Nesse mesmo ano foi construída a primeira estrada mineira sobre a Serra de Ouro Preto. 

Elias de Matos, de 75 anos, é um dos últimos habitantes da Serra de Ouro Preto e vive sem água encanada e luz elétrica(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)
Elias de Matos, de 75 anos, é um dos últimos habitantes da Serra de Ouro Preto e vive sem água encanada e luz elétrica (foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)


Os vestígios dessa estrada ainda se encontram no alto da Serra de Ouro Preto. São 6,5 quilômetros onde os capins e arbustos dos campos de altitude expõem algumas vezes pequenos trechos de calçamento de pedras assentadas por escravos. Do alto, se vê, de um lado, a rodovia BR-356, que leva a Ouro Preto, e do outro, o vale do Rio das Velhas em meio a uma mata fechada e extensa. Um dos últimos habitantes da serra, antes da estrada, é um agricultor tímido e muito simples, que mora no meio de uma das colinas numa pequena casa que ele mesmo construiu.

Sem energia elétrica nem água encanada, o senhor Elias de Matos, de 75 anos, experimenta diariamente os desafios e a falta de recursos que os pioneiros a habitar as serras de Ouro Preto enfrentaram. “Meus seis irmãos se mudaram para a cidade e eu fiquei aqui pelejando com a lavoura, criando os bois. Para ir a Ouro Preto, não uso mais o caminho da montanha, porque ninguém mais sobe lá e aí é perigoso, pode ter bandidos ou algum acidente. Uma vez por ano preciso acordar às 2h e ir andando até Ouro Preto, pela rodovia mesmo”, conta.

Ver galeria . 7 Fotos Edésio Ferreira/EM/D.A.Press
(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press )

Refresco para os viajantes 

O caminho antigo era tão sinuoso que, em 1782, o governador Dom Rodrigo de Menezes mandou construir nova estrada, 200 metros abaixo. “Foi uma via muito avançada para a época, contando com curvas de nível para eliminar curvas e declives. Tinha também um chafariz para abastecer os viajantes”, conta Bohrer. Atualmente, essa estrada se encontra semi-aparente, com trechos cobertos por deslizamentos de terra, outros alagados. Mas as marcas desse caminho centenário ainda estão nítidas na serra, incluindo o chafariz, que ainda funciona e passou por reforma recente. Na estrutura ainda se lê: “Esta fonte e este caminho mandou fazer o ilustríssimo e excelentíssimo D. Rodrigo José de Meneses, governador e capitão general desta capitania de Minas Gerais em 1782”. (A LOJA ROTA PERDIDA/ROTA EXTREMA - www.rotaperdida.com.br - forneceu parte dos equipamentos usados nas expedições)

Navegue pelo especial Montanhas de Histórias

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade