Publicidade

Estado de Minas

Theotonio dos Santos, sociólogo e economista mineiro, é velado no RJ

Professor teve passagens pela UFMG e é conhecido pelas teorias da "dependência" e "sistema-mundo". Corpo foi cremado no estado fluminense


postado em 28/02/2018 20:52 / atualizado em 28/02/2018 21:02

(foto: Reprodução/theotoniodossantos.blogspot.com.br)
(foto: Reprodução/theotoniodossantos.blogspot.com.br)
O corpo do sociólogo, cientista político e doutor em economia Theotonio dos Santos, vítima de um câncer no pâncreas e morto na terça-feira, foi velado na Câmara Municipal do Rio de Janeiro e cremado nesta tarde no estado fluminense. O estudioso e professor, mineiro de Carangola, na Zona da Mata, ficou conhecido no meio acadêmico pela "teoria da dependência", pela "teoria do sistema-mundo" e por ter publicado 38 livros que tiveram traduções em 16 idiomas. Ele tinha 81 anos e deixou a mulher e quatro filhos.

De acordo com a matéria publicada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Theotonio ajudou a fundar a Organização Revolucionária Marxista – Política Operária (Polop) em 1961. O objetivo da Polop seria "criar as condições para o surgimento de partido operário revolucionário no Brasil". Ele foi exilado no Chile após o golpe militar, em 1964.

Em entrevista à UFMG, o professor e ex-reitor da universidade Clélio Campolina, aposentado da Faculdade de Ciências Econômicas (Face), disse que "Theotonio dos Santos é muito respeitado na academia e foi militante ativo da esquerda com forte influência no Brasil e na América Latina" e que "ele sempre foi muito presente no debate político e defensor da justiça social". Ainda de acordo com a universidade, nos últimos tempos Theotonio se dedicou às pesquisas acadêmicas e foi professor visitante da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e coordenador da Cátedra da Unesco sobre Economia Global e Rede Sustentável.

Nas redes sociais, várias pessoas lamentaram a morte do professor. "Grande mestre que tive a honra de conhecer e participar de sua visita a Blumenau na década de 1980", comentou um usuário do Facebook. "Grande perda intelectual para o Brasil. Theotonio foi um economista brilhante", lamentou outro. "O pensamento social brasileiro perde." 

*Sob supervisão da editora Liliane Corrêa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade