Publicidade

Estado de Minas

Idoso que morreu em BH é a 11ª vítima do período chuvoso em Minas

A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) atualizou o balanço do período chuvoso 2017/2018 nesta segunda-feira. Já são 42 municípios em situação de emergência


postado em 26/02/2018 14:02 / atualizado em 27/02/2018 09:47

Idoso morreu depois que muro desabou sobre a casa dele(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press.)
Idoso morreu depois que muro desabou sobre a casa dele (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press.)
As mortes durante o período chuvoso 2017/2018 já chegam a 11 em Minas Gerais. A última vítima a entrar para a lista da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) foi o idoso Hélio Oliveira Lopes, 70, atingido por um muro que caiu sobre a casa dele no Bairro Coqueiros, na Região Noroeste de Belo Horizonte. Esse foi o segundo óbito registrado na capital mineira. Em outubro, o motorista de um táxi faleceu depois de ser atingido por uma árvore. Inicialmente, a Cedec divulgou um boletim com 12 pessoas, mas um dos nomes foi duplicado na lista, o que gerou a modificação.

A morte do idoso Hélio Lopes aconteceu no último sábado durante um forte temporal que atingiu Belo Horizonte. O muro não suportou a força da água e desabou sobre a casa, atingindo quatro pessoas. Além do homem, outras três mulheres ficaram feridas, sendo duas adolescentes. Devido aos riscos de mais danos, a Defesa Civil da capital mineira interditou outras duas moradias que ficam no mesmo lote.
 
No período chuvoso 2017/2018, outra morte já tinha sido confirmada na capital mineira. Em 2 outubro, o taxista  Fábio Teixeira Mageste, de 35 anos, passava em seu veículo pela Rua Timbiras, na Região Centro-Sul, quando, durante a chuva, uma Palmeira Imperial caiu e atingiu o carro. O motorista morreu na hora.

Em Minas Gerais, outras nove pessoas perderam a vida durante temporais. Uma das últimas vítimas a entrar para a lista foi um jovem de 21 anos que morreu depois de sofrer uma descarga elétrica em um assentamento localizado próximo a São Gotardo, na Região do Alto Paranaíba, em 4 dezembro. A morte do jovem em São Gotardo aconteceu em dezembro. De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar (PM), Lenilson da Silva Macedo estava dentro de uma moradia localizada em um assentamento, na Rua Sebastião Alves Pinto, em Guardas dos Ferreiros, quando houve um estrondo por volta das 23h. Chovia muito no local.

Testemunhas contaram que o barulho foi causado por uma descarga elétrica. Um adolescente de 14 anos deixou o local pedindo por socorro e dizendo que o irmão tinha morrido. Ele foi amparado por moradores e encaminhado a um posto de saúde do município. Ele estava com náuseas e se queixava de dores de cabeça. Os policiais militares foram até o local e notaram que o jovem não apresentava sinais vitais.

Outra morte aconteceu em Resende Costa, na Região Central, em 10 de fevereiro. De acordo com a Cedec, com base em informações do Corpo de Bombeiros, uma mulher tentou atravessar um córrego com o carro, quando foi atingida por uma correnteza. Ela desceu do automóvel e acabou sendo arrastada. O corpo da vítima foi encontrado a aproximadamente 1,5 mil metros do local.

Também foram registradas três mortes em Urucânia, na Zona da Mata, outras duas em Uberaba, no Triângulo Mineiro, uma em Perdizes, outra em Ribeirão das Neves, na Grande BH, e uma em Matipó. Os dados podem aumentar, pois há duas pessoas desaparecidas no distrito de Urucânia, na Zona da Mata, outra em Vespasiano, na Grande BH. Além da morte de um ciclista vítima de descarga elétrica que está sendo analisada. São 42 municípios em situação de emergência.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade