Publicidade

Estado de Minas

Fissura em trincheira na MG-010 alerta autoridades em Vespasiano

Moradores acionaram a Defesa Civil na segunda-feira e equipe avaliou o local. Como o trecho é estadual, prefeitura não pode fazer intervenções


postado em 07/02/2018 09:53 / atualizado em 07/02/2018 14:02

Ver galeria . 4 Fotos Prefeitura de Vespasiano diz que trincheira tem uma abertura na junta de dilatação vertical, com uma possível inclinação aparente de 6 centímetrosPrefeitura de Vespasiano/Divulgação
Prefeitura de Vespasiano diz que trincheira tem uma abertura na junta de dilatação vertical, com uma possível inclinação aparente de 6 centímetros (foto: Prefeitura de Vespasiano/Divulgação )

A Defesa Civil de Vespasiano, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, está monitorando uma trincheira na MG-010, altura do Bairro Santa Clara, sentido capital mineira, onde foi detectada uma fissura. A prefeitura informou que comunicou a situação ao governo de Minas, já que não pode realizar intervenções no local. Até o momento, segundo o Executivo municipal, não foi preciso interditar o trecho. A Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) informou que se trata de uma junta de construção, prevista em projeito, que permite a livre movimentação das alas da estrutura. Ressaltou que não há nenhum problema estrutural.

A fissura foi descoberta na segunda-feira, dia 5, por moradores que acionaram a Defesa Civil da cidade. No mesmo dia, uma equipe foi encaminhada ao local para avaliar a situação. “(...) ficou constatada a existência de uma abertura na junta de dilatação vertical, com uma possível inclinação aparente de aproximadamente 06 cm (seis centímetros), na parte superior da fissura. Essa 'dilatação' está presente nos dois lados do muro de sustentação da passagem do túnel/trincheira. Foi observado também, que o asfalto da pista de rolamento apresenta um pequeno abatimento na Linha Verde”, diz a nota divulgada pelo Executivo municipal em sua página no Facebook.

“Logo que tomamos conhecimento, mandamos uma equipe da Defesa Civil, que tem um engenheiro, ao local. Assim que fizeram a constatação, foi feita uma descrição do quadro encontrado, fizemos também anexos fotográfico e enviamos esta documentação às secretarias de Governo e Obras do município para o acompanhamento”, explica a coronel Cláudia Romualdo, secretária Municipal de Defesa Social de Vespasiano. 

A situação também foi relatada à Secretaria de Transporte e Obras Públicas de Minas e à Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec-MG). A prefeitura da cidade explica que, como a trincheira é uma obra do governo de Minas e faz parte da Linha Verde, o município não pode fazer obras no local. 



A notícia assustou moradores de Vespasiano e motoristas que passam pela trincheira na MG-010. Nas redes sociais, eles se lembraram da queda do Viaduto Batalha dos Guararapes, na Avenida Pedro I, em Belo Horizonte, em 2014, e questionaram o motivo de a estrutura ainda não ter sido interditada. “Não foi feita essa interdição porque, na avaliação do engenheiro da nossa Defesa Civil, não era necessária uma interdição de pronto”, afirma a coronel Cláudia, completando que desde a segunda-feira o monitoramento da estrutura é constante. “Todos os dias a equipe da Defesa Civil vai lá pelo menos duas vezes, manhã e tarde”. 

Ainda segundo ela, a prefeitura de Vespasiano foi informada que o governo de Minas já acionou o Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER-MG) para tomar providências. Ela também reforça que os moradores podem acionar a Defesa Civil pelo telefone 199, a qualquer hora do dia. 

Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) informou que engenheiros das gerências de Manutenção e Projetos e Pontes e Estruturas do DEER/MG já fizeram uma vistoria na estrutura da passagem inferior da trincheira e “constataram que não existe nenhum problema estrutural na trincheira”. “A estrutura da passagem inferior encontra-se completamente estável e a abertura que aos olhos do público leigo vem sendo classificado como trinca não passa de junta de construção, normalmente utilizada em obras com este modelo estrutural”, afirmou o órgão.

Segundo a Setop, a junta permite a livre movimentação das alas em relação a estrutura principal da passagem inferior. A medida, de acordo com o órgão, “está prevista em projeto, adequadamente executada e que está cumprindo exatamente sua função estrutural”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade