Publicidade

Estado de Minas

Protesto ameaça atendimentos nas UPAs de BH nesta terça-feira

Trabalhadores vão fazer paralisação de cinco horas de 7h até 12h. Eles garantem escala mínima e somente casos de urgência e emergência serão atendidos. Prefeitura de BH orienta que usuários que não estejam em estado grave procurem unidades básicas de saúde


postado em 29/01/2018 18:42 / atualizado em 29/01/2018 19:09

Gladyston Rodrigues/EM/DA Press(foto: Protesto acontecerá em todas as Unidades de Pronto Atendimento da capital)
Gladyston Rodrigues/EM/DA Press (foto: Protesto acontecerá em todas as Unidades de Pronto Atendimento da capital)
Somente os casos de urgência e emergência deverão ser atendidos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Belo Horizonte nesta terça-feira. Os funcionários e médicos prometem uma paralisação de cinco horas durante a manhã. O principal protesto da categoria é em relação a segurança. Diante da ameaça, a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) recomenda que os usuários só procurem as UPAs em caso de urgência e emergência. Caso contrário, devem procurar atendimento nas unidades básicas do Sistema Único de Saúde (SUS) que estarão abertas.

Os trabalhadores estão em negociação permanente com a Prefeitura. Eles avisaram sobre a paralisação com 48 horas de antecedência. A administração municipal afirma que recomendou uma escala suficiente para atender os casos de urgência e emergência. “O serviço de urgência não pode paralisar as atividades. Fizemos reuniões tratando deste assunto na mesa de negociação permanente com os trabalhadores e os sindicatos. Uma coisa que reforçamos é a importância de garantir o atendimento de urgência e emergência”, afirma Suzana Rates, gerente de urgência e emergência da secretaria municipal de saúde.

A gerente orienta que os usuários devem evitar procurar as UPAs nesta terça-feira caso não necessitem de atendimentos de urgência e emergência. “Os pacientes que não forem de urgência, pedimos para evitar de ir na unidade para não tumultuar. Quem puder, deve procurar o centro de saúde referência da região para avaliação”, concluiu Suzana Rates.

Os trabalhadores vão protestar para pedir mais segurança. O ato foi convocado pelos sindicatos De dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindibel), e Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG), e o Conselho Municipal de Saúde. Os órgãos afirmam que de junho de 2017 a janeiro deste ano foram registrados 309 episódios de violência. Por isso, pedem um plano de segurança para as Upas e todas undiades de atendimento básico, implantação de sistema de segurança eletrônico com câmeras de monitoramento, presença de seguranças em tempo integral nas UPAs e nas unidades básicas e retorno de porteiros e vigias nos centros de saúde.

Os sindicatos afirmaram que a paralisação terá início 7h e tem previsão para ser finalizado 12h. Os atendimentos serão realizados em escala mínima. Somente os casos considerados “amarelo, laranja e vermelho” serão atendidos.

Posição da prefeitura

Sobre a reivindicação da categoria em relação a segurança, a prefeitura informou que já negocia com os trabalhadores e que a questão é complexa. “É muito além dos próprios trabalhadores, envolve a segurança da cidade, dos usuários, do cidadão, de todos. O foco da secretaria é visando uma segurança para todos, trabalhadores usuários, e até o patrimônio. Estamos estreitando com a guarda e com a secretaria de segurança e realizando um trabalho com a guarda com treinamento com funcionários na UPA Noroeste e que vai estender para as demais unidades. A guarda já vem reforçando o patrulhamento nas regiões Oeste, Barreiro, e Noroeste, e isso vem sendo estendido para Pampulha e Venda Nova”, disse a gerente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade